A esquerda é maior que partidos políticos

0
745

Leonardo Sakamoto*

Somos educados desde cedo para tomar partido na luta do bem contra o mal e não para entender a pluralidade de pontos de vista ou mesmo o fato de que “bem’’ e “mal’’ são construções que atendem a interesses de determinados grupos sociais. Não são absolutos e precisam ser enxergados à luz de seu cotexto.

É tão raso quando alguém atribui a origem de todos os males a um único partido, seja PT, PSDB, e por aí vai, quando sabemos que as coisas são bem mais complexas. Ou quando se encara um posicionamento político na forma de filiação partidária.

Já publiquei esta discussão, mas frente à violência política que estamos vendo nas redes e nas ruas por parte de simpatizantes dos mais diversos posicionamentos políticos, resolvi resgatá-la.

Fico fascinado quando alguém identifica um perfil de esquerda (desculpe, mas na falta de uma categoria melhor para agrupar essa massa disforme vai essa palavra desgastada e mal-entendida mesmo) em minha matriz de intepretação do mundo e, ato reflexo, me chama de “petista’’.

Como se todo o petista fosse obrigatoriamente de esquerda (nada mais equivocado) e como se toda esquerda não fosse, em si, muito maior que um partido em questão.

Isso lembra o início do século 20, quando imigrantes libaneses e sírios eram chamados, por aqui, indiscriminadamente de turcos por causa do passaporte emitido pelo Império Otomano. O que, claramente, deixava muitos libaneses e sírios intrigados por aqui.
Revolta expressa de forma magistral pelo turco Rachid, da novela Renascer? “Nós não turco, nós li-ba-nês’’. Então, como já disse antes neste blog, repito para ser bem didático: nós não petista, nós de es-quer-da.

Concordo com ações adotadas pelo governo federal quando elas vão ao encontro de um ponto de vista sobre qual deve ser a real função do poder público (como a libertação de escravos e a implementação de instrumentos para punir economicamente empresas que se beneficiam da superexploração do trabalhador).

Pondero quando o governo toca ações importantes, mas que precisam de melhorias para efetivarem todas as suas possibilidades (como o próprio Bolsa Família).

E protesto veementemente quando o governo vai contra o que tenho como princípio. Por exemplo, o tomaladacá no Congresso e a corrupção como instrumento de governabilidade, a política anacrônica de “desenvolvimento’’, que passa por cima de comunidades indígenas e tradicionais para gerar energia elétrica, o assalto aos direitos trabalhistas e previdenciários no intuito de fazer caixa e resolver os erros do próprio governo, para citar apenas alguns casos. Que, infelizmente, tem sido a maioria dos casos.

Este jornalista tem muito mais textos criticando políticas do governo do que concordando com elas. Mas isso não importa. Pois na cabeça de muita gente, de um lado ou de outro, estamos vivendo uma guerra.

E, em uma guerra, encontramos espécimes que latem coisas do tipo: “Ou você está comigo ou está contra mim, porque o mundo se divide em amigos e inimigos’’.

Mesmo um partido no governo ou na oposição não é algo monolítico e sim dividido em correntes. E há divergências entre base e cúpula ou quem trabalha em função remunerada e quem é voluntário. Há pessoas que ficam possessas com atitudes das altas instâncias de um partido.

Tal qual um sinal colorido captado por uma televisão em preto e branco, não raro encontramos gente que, diante de uma profusão de cores e tonalidades, forçam o mundo a perder toda sua riqueza e se ajustar a uma realidade com menos graça. Não existe o amarelo, verde e o vermelho, o que reina são tons de cinza. E, ainda assim, menos de 50 deles.

Não raro, a pessoa nem poderia ser cobrada por isso. Como exigir que consiga verbalizar a distinção de cores se elas nunca lhe foram devidamente apresentadas?

Se durante toda a sua vida, tudo e todos fizeram-na acreditar que as opções eram apenas duas: o céu e o inferno.

Cultura política deveria ser algo melhor fomentado, desde cedo, via estrutura formal de educação. Mas também através de nosso trabalho como jornalistas, evitando simplificações políticas, onde há complexidade.

A esquerda e seus ideais são maiores que partidos que dizem falar em seu nome e decepcionam o povo ao se tornar aquilo que mais criticavam no intuito de se manter no poder.

Esse erros fazem com que décadas se percam, passos sejam dados para trás, conquistas acabem lançadas no lixo. Mas a esquerda também é maior que pessoas que não gostam de ler livros de história. Porque a história de movimentos contra-hegemônicos é uma história de reconstrução.

Um partido pode se esfacelar diante de seus erros e dos crimes de seus membros. Mas uma ideia, não.

Líderes, falsos ou reais, que falam em nome do povo caem a toda a hora. Mas uma ideia, não.

Posso morrer a qualquer momento, atropelado por um carro ou atingido por um maluco. Mas a ideia aqui defendida sobrevive.

Porque a ideia da luta por justiça social e dignidade e pelo direito à identidade e o combate à desigualdade nas grandes cidades e no campo segue viva com movimentos, coletivos e organizações. Com pessoas conversando, reconhecendo-se na opressão e tomando as rédeas da sua própria vida e do lugar em que vivem.

Para alguns, isso é reconfortante. Para outros, desesperador.

*Jornalista. Publicado originalmente no Blog do Sakamoto do portal UOL (blogdosakamoto.blogosfera.uol.com.br).