Africana foge da prostituição forçada na Dinamarca

Jewel, uma jovem nigeriana, buscava trabalhar como cuidadora de idosos quando foi forçada a se prostituir; veja como ela conseguiu escapar do tráfico sexual

0
145
Jovem nigeriana viu sua chegada à Dinamarca se transformar em pesadelo, mas deu a volta por cima (Foto: Reprodução)
Jovem nigeriana viu sua chegada à Dinamarca se transformar em pesadelo, mas deu a volta por cima (Foto: Reprodução)

Todos os anos milhares de mulheres são enganadas e acabam sendo  traficadas para a realização de trabalhos sexuais forçados. O principal destino da maioria é a Europa. Jewel é uma jovem nigeriana que teve um final feliz ao conseguir fugir, mas nem todas tem a mesma sorte. Ela viajou para Copenhage, capital da Dinamarca, na esperança de se tornar cuidadora de idosos, quando na verdade estava sendo traficada para a prostituição. 

Na cidade, Jewel foi recebida por uma mulher também nigeriana, que, no dia seguinte, a levou até Vesterbro, o distrito da luz vermelha da cidade. “Eu esperava ver algum tipo de hospital”, lembrou Jewel ao canal BBC. Foi neste momento que Jewel descobriu que era naquele lugar que ia trabalhar.

“Foi quando ela disse que eu seria uma prostituta, e era aqui que eu procuraria clientes. Então, toda a Dinamarca caiu em cima de mim.” relembrou a vítima. Os números mais recentes divulgados pela União Europeia sobre o tráfico de pessoas revelam que entre 2017 e 2018 houve mais de 14 mil vítimas. Esse número é só dos casos identificados, fora as subnotificações. Metade das vítimas era de fora da União Europeia – sendo a Nigéria uma das cinco principais nacionalidades.

A jovem teve sua vida e a de sua família ameaçada por traficantes, caso ela ousasse a denunciar às autoridades. Somente após quatro meses nas ruas, desesperada, deprimida e tentada a tirar a própria vida, Jewel conheceu um dinamarquês e se apaixonou. Logo no primeiro encontro, ela contou tudo a ele. Ele a ajudou com as despesas e também a procurar ajuda. 

Imediatamente a jovem lembrou de Michelle Mildwater, membro da ONG Hope Now contra o tráfico internacional de mulheres, que havia lhe entregado um cartão só com um número de telefone em sua primeira vez no distrito de prostituição. Depois do contato e assessoriamento, Jewel finalmente se livrou dos traficantes e conseguiu proteger sua família.

Felizmente, neste momento, a nigeriana aguarda o resultado de seu pedido de permanência na Dinamarca. Enquanto isso, seu dinamarquês tornou-se fluente e ela teve um bebê. Jewel e Michelle são grandes amigas – inclusive a funcionária da ONG foi sua madrinha de casamento.