Amâncio Dias comenta matéria do AcheiUSA

0
1091

Carta de Amâncio enviada à redação:

Em referência à matéria publicada no jornal AcheiUSA, intitulada “Amâncio Dias Ministries promove Blessing Hands”, o reverendo Amâncio Dias sentiu-se prejudicado pelo que foi publicado. Em respeito ao direito de defesa, abrimos espaço para a publicação da carta enviada pelo missivista:

“Caro Sr. Antonio Tozzi,

“Venho através desta solicitar a remoção imediata da referida matéria do website e providências para solucionar problemas surgidos após a publicação da mesma. Após revisar o texto, fiquei surpreso por observar que várias declarações tiveram seu conteúdo modificado. No texto apareciam várias palavras que não usei e não uso e a linha editorial incita a uma polêmica negativa e agressiva. Em momento nenhum foi a intenção de criar este tipo de polêmica em nossa comunidade, e sim apresentar a visão deste ministério, a seriedade e ética com que sua administração trabalha nas diversas áreas em que atua e apoiar a outros que dentro da seriedade caminham. Creio que você não entendeu o cotexto em que me referi e isso gerou interpretação de sua parte que não condiz com a visão que tentei passar com as minhas declarações, palavras foram omitidas e modificadas dando outra conotação.
Gostaria que soubesse que não gosto e não necessito que coloquem palavras em minha boca. Não foi falado e nem passado para você tais informações, tenho testemunhas e provas dito. Abaixo segue (sic) algumas controvertidas colocações e citações:

(Excerto da matéria) … Christian Temple, o braço espiritual do grupo.
O Christian Temple nunca foi o braço espiritual de nenhum grupo.

(Excerto da matéria) …”Mostramos aos jovens que o caminho das drogas os levará à perdição, mas não fazemos isto apenas condenando-os.”
Não existe no nosso programa de orientação e prevenção as drogas o uso de algum método de tratamento utilizando a condenação como terapia aos usuários de substâncias químicas.

(Excerto da matéria) …Dias faz questão de dizer que atende desesperados de todas as nacionalidades.
A palavra “desesperados” está colocada de maneira pejorativa e nunca foi utilizada para descrever aqueles a quem ajudamos. O Blessing Hands ajuda a pessoas necessitadas, e nem todos que vem de outros países a este, são necessitados.

(Excerto da matéria) …Os fiéis precisam saber separar os falsos profetas dos verdadeiros representantes de Deus”, conclui.
Nunca usei o termo “diéis”, “falsos profetas” ou “representante de Deus”, e sim disse: “precisam saber separar e buscar os comprometidos com o sacerdócio”.

(Excerto da matéria) …Na verdade, há quase que um conluio entre fiéis e pastores. Estes usam as isenções governamentais….”
“Alguns usam as isenções governamentais para comprar produtos a preços subsidiados e depois montam as chamadas cestas básicas para serem distribuídas e não qualificam muitas vezes quem está recebendo, com o objetivo de atrair as pessoas”.

Atenciosamente

Rev. Amâncio Dias
Presidente – Amâncio Dias Ministries”

Primeiramente gostaria de esclarecer que não tive – e não tenho por convicção profissional – intenção de distorcer palavras ou conteúdos. O objetivo da matéria foi o de mostrar o trabalho social da Blessing Hands e de outras atividades sociais desenvolvidas pelo Amâncio Dias Ministries, os quais não conheço e divulguei como sendo sérios.

Portanto, também não gostei do tom inquisitivo da carta, sugerindo que eu tenha tido a intenção de menosprezar o trabalho da igreja e de suas entidades sociais, quando, repito, o objetivo foi exatamente o oposto. Quanto à presença de testemunhas, isto é muito subjetivo, uma vez que são pessoas de sua confiança. Além do mais, na segunda conversa, tratada por telefone, outras pessoas não participaram.

Com relação aos pontos destacados na carta, vamos aos fatos:
1) Christian Temple, segundo suas palavras, é a igreja que congrega os seguidores do Amâncio Dias Ministries.
2) Neste caso, não afirmei que vocês usam o método de condenação. A construção da frase dá a entender que o programa exatamente não recorre à condenação. Em vez disto, propõe-se a usar métodos de recuperação sem culpar os usuários, conforme está dito na conclusão da declaração: “Procuramos mostrar a eles alternativas mais saudáveis para deixar as drogas”.
3) Outro mal entendido. A palavra “desesperados” não é colocada de maneira pejorativa, mas, sim, no sentido de pessoas que estão em busca de apoio psicológico.
4) Realmente, admito que, neste caso, me excedi. Embora reconheça que, no fundo, o sentido é o mesmo. Acho que poderia ter usado a forma proposta pelo missivista.
5) Outro exagero. Na verdade, a frase citada como correta foi publicada um pouco acima e não foi mencionada pelo reverendo.

Consideramos abrir espaço para aqueles que se sintam atingidos de alguma forma e não foi diferente com o senhor Amâncio Dias.

Atenciosamente

Antonio Tozzi
Editor

Leia também a matéria em questão através do link abaixo: