Após explosão mortal em Beirute, autoridades buscam por respostas e sobreviventes

O governo libanês ainda não tem uma confirmação oficial do que causou o incidente. Uma das linhas de investigação aponta para uma reação química de 2.750 toneladas de nitrato de amônio que estava em um armazém desde 2014 , mas ainda não apresenta uma causa oficial.

0
1290
Imagens pós-explosão em Beirute ( youTube)
Imagens pós-explosão em Beirute ( youTube)

A explosão aconteceu na região portuária de Beirute, à beira do mar Mediterrâneo. Momentos antes da explosão, imagens mostraram um edifício em chamas, com grandes labaredas. A área portuária foi isolada por forças de segurança.

Até a manhã desta quarta-feira (5), autoridades estimavam que mais de 100 mortes aconteceram por causa da explosão e ao menos 4 mil pessoas ficaram feridas. Estes números devem ser atualizados.

O governo libanês ainda não tem uma confirmação oficial do que causou o incidente e não há evidências de ligação com um atentado terrorista.

Uma das linhas de investigação aponta para 2.750 toneladas de nitrato de amônio que estava em um armazém desde 2014. Mas esta ainda não é a causa oficial.

Segundo a Cruz Vermelha, a força da explosão fez com que pessoas fossem jogadas ao mar na zona portuária. Um dos maiores hospitais de Beirute, o St. George, a 1 quilômetro do local, teve que ser fechado.

Agências de notícias locais dão conta que a explosão pôde ser sentida nas cidades de Nicósia, Limassol e Larnaca, no Chipre, a mais de 200 quilômetros da costa do Líbano. A capital tem cerca de 360 mil habitantes e fica no litoral do mar Mediterrâneo. O país, por sua vez, faz fronteira com Israel (ao sul) e com a Síria (ao leste e ao norte).