Artistas recusam prêmio do Ministério da Cultura no Brasil

Eles afirmam que não querem prêmio de governo “ilegítimo”

0
1335
Marcelo Rubens Paiva recusou prêmio do MinC
Marcelo Rubens Paiva recusou prêmio do MinC

Três artistas brasileiros recusaram a Ordem do Mérito Cultural, concedida pelo Ministério da Cultura, por considerar o governo Temer “ilegítimo”. São eles: Marcelo Rubens Paiva, Daniela Thomas e Arthur Omar que rejeitaram o prêmio, entregue na semana passada na cerimônia de comemoração ao centenário do samba no Palácio do Planalto. O evento teve ainda ausências de dois agraciados ou representantes, o que fez com que seus nomes fossem ignorados pelo mestre de cerimônia. As informações são do jornal O Globo.

Daniela Thomas, Arthur Omar e Marcelo Rubens Paiva rejeitaram a comenda há cerca de um mês, quando foram comunicados pela Cultura que seriam agraciados. Seus nomes não foram divulgados pela pasta, seja no Diário Oficial, que trouxe a lista completa dos 36 homenageados — 30 artistas e seis fundações — ou em portais do governo federal.

“Apesar de ser um prêmio muito importante, não me senti nada confortável em aceitá-lo de um governo pelo qual não tenho nenhuma admiração”, disse Daniela Thomas.

A cenógrafa, figurinista e diretora de cinema é finalista do prêmio Shell de teatro de São Paulo deste ano pela cenografia em “A tragédia latino-americana”, e recebeu em 2008 um prêmio em Cannes em nome da atriz Sandra Corveloni por “Linha de Passe”, que codirigiu com Walter Salles. Daniela, que também fez parcerias com o pai, o cartunista Ziraldo, foi responsável pela museografia do Museu do Futebol, no Estádio do Pacaembu.

Daniela Thomas trabalhou na direção artística da Olimpíada do Rio com Marcelo Rubens Paiva, que também disse não ao prêmio. Outros membros da equipe aceitaram a condecoração: Vik Muniz, Fernando Meirelles, Andrucha Waddington e Fred Gelli.

Premiado em literatura, cinema, teatro e por seu blog, Marcelo ganhou o Jabuti de 1983 por “Feliz Ano Velho”, um dos livros mais celebrados da década de 1980. A obra literária mais recente de Rubens Paiva é “Ainda Estou Aqui”, de 2015, que retoma o tom autobiográfico que o lançou para o sucesso.

Autor do ensaio de retratos “Antropologia da face gloriosa”, que catalogou 161 retratos do Carnaval por mais de duas décadas, o fotógrafo e cineasta Arthur Omar também se negou a receber a Ordem “por razões morais”.

“Recusei essa honraria por razões morais e por não querer receber a comenda pelas mãos de um governo que considero ilegítimo. É um momento triste para mim, mas a decisão foi tomada depois de muito pensar sobre o assunto. Iria contra tudo que eu acredito, e estaria em contradição com a minha obra”, escreveu Arthur Omar em e-mail a pessoas próximas.

A Ordem do Mérito Cultural, que reconhece pessoas com “relevantes contribuições à cultura nacional”, foi criada em 1995 e é feita anualmente no começo de novembro, em comemoração ao Dia Nacional da Cultura. Na edição deste ano, foram premiados postumamente, além de Ismael Silva: Noel Rosa, Donga, Papete e Clementina de Jesus.