As 10 mulheres mais ricas do mundo em 2021

A mulher mais rica do mundo, a herdeira da L’Oreal, Françoise Bettencourt Meyers, teve o maior ganho em dólar entre as mulheres cuja fortuna está vinculada a ações públicas

0
1838
Alice Walton, Julia Koch e Françoise Bettencourt Meyers são alguns dos nomes da lista que inclui 328 mulheres bilionárias (Foto: Forbes)
Alice Walton, Julia Koch e Françoise Bettencourt Meyers são alguns dos nomes da lista que inclui 328 mulheres bilionárias (Foto: Forbes)

DA REDAÇÃO – A lista dos Bilionários do Mundo de 2021 da Forbes apresenta 328 mulheres, um aumento de mais de 36% em relação ao ano anterior, incluindo a bilionária self-made mais jovem do mundo.

Em fevereiro, Whitney Wolfe Herd, a cofundadora do Bumble de 31 anos, abriu o capital de sua empresa de relacionamentos, tornando-se a CEO mulher mais jovem dos EUA a tocar o sino de estreia e a bilionária self-made mais jovem do mundo. Whitney, que tem um patrimônio avaliado em $1,3 bilhão, é uma das 63 mulheres que se juntaram à lista anual dos bilionários mundiais da Forbes pela primeira vez em 2021.

Dos EUA à China, 328 mulheres entraram na lista dos bilionários da Forbes, em comparação a 241 no ano passado. Ao todo, a fortuna das mulheres da lista equivale a $1,53 trilhão, um aumento de quase 60% em relação ao ano anterior. Juntas, elas adicionaram $570,7 bilhões à sua riqueza, em grande parte devido à recuperação dos mercados de ações em todo o mundo. Doze dessas mulheres compartilham suas fortunas com o marido, filho ou irmão. No ano passado, sete mulheres compartilhavam suas fortunas, incluindo Beate Heister, da Alemanha, herdeira da fortuna do supermercado Aldi, que divide o patrimônio com o irmão Karl Albrecht Jr. Uma recém-chegada este ano que também compartilha sua fortuna é Keiko Erikawa, do Japão. Ela e seu marido, Yoichi, fundaram a desenvolvedora de videogames Koei Tecmo há quatro décadas.

Keiko também é uma das 108 mulheres self-made da lista – contra 67 mulheres no ano passado –, atestando a ascensão de mulheres empresárias que se juntaram às fileiras bilionárias. Houve 66 mulheres que, apesar de herdarem sua riqueza, continuaram a aumentá-la. Miuccia Prada, por exemplo, transformou a empresa de moda de luxo da família Prada em uma marca de $2,9 bilhões (vendas em 2020) com seu marido coCEO, Patrizio Bertelli. Além disso, 154 mulheres herdaram sua fortuna, mas não estão ativamente envolvidas em expandi-la, como é o caso de Dagmar Dolby, que possui cerca de 36% da empresa de tecnologia de áudio de capital aberto Dolby Laboratories, fundada por seu falecido marido, Ray Dolby (2013).

A mulher mais rica do mundo, a herdeira da L’Oreal, Françoise Bettencourt Meyers, teve o maior ganho em dólar entre as mulheres cuja fortuna está vinculada a ações públicas. O preço dos papéis da L’Oreal, na qual ela e sua família possuem uma participação de 33%, subiu quase 40% desde março passado, adicionando $24,7 bilhões ao patrimônio líquido de Françoise. 

MacKenzie Scott, ex-esposa do fundador da Amazon, Jeff Bezos, também ficou mais rica este ano, apesar de seus extensos esforços filantrópicos durante a pandemia. MacKenzie, que se comprometeu a doar sua riqueza “até que o cofre esteja vazio”, doou quase $6 bilhões para instituições de caridade nos Estados Unidos em 2020. No entanto, graças ao aumento das ações da Amazon, que ela herdou no divórcio, seu patrimônio foi a $53 bilhões. No ano passado, sua fortuna era estimada em $36 bilhões.

Mas nem todo mundo ganhou em 2021. A fortuna de 24 mulheres diminuiu no ano passado devido a quedas de ações e diminuição no valor de participações privadas. Em outubro, a bilionária alemã Friede Springer deu 15% da empresa (cerca de $1,2 bilhão) ao presidente-executivo da Axel Springer, editora alemã fundada por seu falecido marido. Em um esforço para encorajar uma transição suave, ela também vendeu para ele mais 4,1% da empresa e agora detém apenas 22%.