Ativistas denunciam uso de substância perigosa para desinfetar prisões de imigrantes nos EUA

As denúncias relatam que o produto conhecido como HDQ Neutral, aplicado a cada 15 ou 30 minutos nas instalações de um centro de detenções na Califórnia, apresenta riscos de irritação respiratória, inflamação, infertilidade e malformações congênitas em bebês.

0
995
Adelanto Detention Center na Califórnia (foto: ICE)
Adelanto Detention Center, Califórnia (foto: ICE)

Um tipo de desinfetante usado em prisões de imigrantes nos Estados Unidos por causa do coronavírus está associado a vários riscos à saúde, incluindo ataques de asma, bolhas na pele, alergias e efeitos genotóxicos. A denúncia foi feita nesta quinta-feira (13) por diversas organizações. 

Segundo a Earthjustice, uma das entidades autoras da denúncia, o centro de detenção Adelanto Immigration Center, na Califórnia, tem utilizado uma substância chamada ‘HDQ Neutral’ como desinfetante. O produto apresenta riscos de irritação respiratória, inflamação, infertilidade e malformações congênitas em bebês cujas mães tenham estado em contato durante a gestação, mesmo depois que a exposição ativa já acabou.

“Todos os dados indicam que a exposição ao HDQ Neutral tem efeitos nocivos e prejudiciais à saúde”, disse Raúl García, ativista da Earthjustice, em entrevista coletiva. De acordo com a organização, um dos ingredientes ativos da substância pode danificar o DNA de uma pessoa.

Ela denuncioui que, devido ao surto do novo coronavirus, um centro de detenção da Califórnia  tem aplicado  este produto químico a cada 15 ou 30 minutos nas instalações, durante todo o dia e a noite.

Durante a coletiva, o congressista a Mark Takano, do partido Democrata da Califórnia, argumentou que uma maneira racional de resolver esse problema seria “reduzir o número de pessoas detidas”. Em julho, Takano enviou uma carta à US Imigration and Custom Enforcement (ICE)  alertando sobre os riscos do uso do HDQ em ambientes fechados.

A ONG Clue Justice chamou atenção para casos de alergias e erupções cutâneas neste mesmo centro da Califórnia após as desinfecções. 

Nos Estados Unidos, país com mais mortes por coronavírus no mundo, há 4.531 casos confirmados de COVID-19 em centros de detenção de imigrantes.