Ativistas jogam sopa de tomate no quadro ‘Girassóis’, de Van Gogh, em Londres

A pintura não ficou comprometida, mas a dupla foi presa sob acusação de "dano criminal"

0
2560
Ativistas atiram sopa em quadro de Van Gogh, em Londres. Foto: Reprodução Instagram

Ativistas da organização britânica Just Stop Oil atiraram sopa de tomate no quadro “Girassóis” (1888), do pintor Vincent Van Gogh, exposto na National Gallery de Londres. Em seguida, passaram cola nas mãos e “se grudaram” na parede, segundo informações divulgadas pela Scotland Yard, nesta sexta-feira (14). A pintura, protegida por vidro, tem valor estimado em $84,2 milhões de libras. A obra não ficou comprometida. A polícia metropolitana da cidade anunciou no Twitter que “as duas pessoas foram presas por danos criminais e invasão agravada”.

Phoebe Plummer, de 21 anos, falou ao jornal Daily Mail sobre a ação: “O que vale mais, a arte ou a vida? Arte vale mais do que comida? Mais do que justiça? Vocês estão mais preocupados com a proteção de uma pintura ou com a proteção do nosso planeta e das pessoas?”, questionou.

Essa é a segunda vez que uma obra de Van Gogh é atacada por membros do grupo Just Stop Oil. No final de junho, os ativistas atingiram a pintura “Peach Trees in Bloom”, de 1889, na Courtauld Gallery, também em Londres. A ação exigia que o Executivo britânico suspendesse todos os novos projetos de exploração de hidrocarbonetos no país, declarou a organização após o atentado.

Em julho, ativistas do mesmo grupo se colaram na moldura de “A Última Ceia”, de Leonardo da Vinci, na Royal Academy of Arts de Londres e em “The Hay Wain”, de John Constable, na National Gallery. Eles também bloquearam pontes e cruzamentos em Londres durante duas semanas de protestos.

As ações do grupo vão de encontro com as decisões da nova primeira-ministra conservadora britânica, Liz Truss, nomeada em 6 de setembro, anunciando o aumento das licenças para a extração de petróleo e gás no Mar do Norte,  medida para combater a crise energética no país, apesar das críticas de ambientalistas.