Ativistas são multadas por deixar água e comida para imigrantes no deserto do Arizona

Motivo da punição foi o fato de elas terem entrado em reserva natural sem autorização

0
1942
Refúgio natural de Cabeza Prieta, no Arizona — Foto Andrew Loescher USFWS
Refúgio natural de Cabeza Prieta, no Arizona — Foto Andrew Loescher USFWS

Quatro mulheres que deixaram comida e água para migrantes no deserto do Arizona foram condenadas e multadas por entrarem num refúgio nacional da vida selvagem sem permissão. A área fica perto da fronteira com o México.

De acordo com a CNN, elas foram condenadas a 15 meses de liberdade condicional sem supervisão, além de multadas em $250 cada e estão proibidas de voltar ao Refúgio Nacional da Vida Selvagem de Cabeza Prieta, durante o período de liberdade condicional.

Zaachila Isabel Orozco-McCormick, Natalie Renee Hoffman, Oona Meagan Holcomb e Madeline Abbe Huse são voluntárias da organização No More Deaths (Chega de mortes, em português), um grupo que trabalha para diminuir as mortes de imigrantes no deserto.

Segundo o site oficial da ONG No More Deaths, no verão de 2017, considerados um dos mais quentes já registrados no Arizona, “os voluntários colocaram água e comida no refúgio, na esperança de evitar a morte por desidratação de pessoas que andam no deserto”. As voluntárias foram acusadas ​​meses depois.

No documento do Departamento de Justiça do distrito do Arizona, as voluntárias também foram acusadas de abandonar propriedade pessoal. Uma delas também foi condenada por operar um veículo motorizado em uma área selvagem.