Bancos brasileiros têm valorização no ano superior a de americanos

Empresas como Bradesco, Itaú e Banco do Brasil tiveram ações com mais valorização do que de instituições americanas como Suntrust, BB&T e Regions

0
5573
O Bradesco valorizou-se de $25,6 bi para $49,2 bi
O Bradesco valorizou-se de $25,6 bi para $49,2 bi

DA REDAÇÃO – O Brasil pode estar em crise, mas banqueiros do país seguem tendo motivos para estampar um sorriso no rosto. Isso porque bancos brasileiros se valorizaram mais que os dos Estados Unidos no período de 31 de dezembro de 2015 a 29 de julho deste ano, informa o portal UOL.

Segundo o veiculo, as instituições brasileiras com ações na Bolsa de Valores lideram o crescimento de valor de mercado na América Latina e EUA. Dentre elas, Bradesco foi o que teve a maior alta. Os dados foram divulgados pela consultoria Economatica na semana passada.

A metodologia calculou o crescimento do valor de mercado dos bancos de capital aberto da América Latina e EUA com bens acima de $100 bilhões. De acordo com a consultoria, somente 22 instituições se encaixam nesse perfil, sendo quatro do Brasil e 18 dos Estados Unidos.

O Bradesco, que liderou a lista, teve um crescimento de $23,5 bilhões: no final de 2015, o banco tinha $25,6 bilhões de valor de mercado contra $49,2 bilhões no dia 29 de julho de 2016. Itaú, Santander Brasil e Banco do Brasil também ficaram entre as maiores altas em valor de mercado.

Confira a seguir a variação dos bancos no período analisado:

Bradesco – valorizou-se de $25,6 bi para $49,2 bi

Itaú Unibanco – valorizou-se de $38,5 bi para $57,7 bi

Santander Brasil – valorizou-se de $14,7 bi para $23,6 bi

Banco do Brasil – valorizou-se de 10,5 bi para $18,2 bi

M&T Bank (EUA) – valorizou-se de $16,2 bi para $18,2 bi

BB&T (EUA) – valorizou-se de $29,5 bi para $30 bi

Suntrust Banks (EUA) – desvalorizou-se de $21,8 bi para $21,2 bi

State Street Corporation (EUA) – desvalorizou-se de $26,8 bi para $26 bi

Regions (EUA) – desvalorizou-se de $12,5 bi para $11,6 bi

Northern Trust (EUA) – desvalorizou-se de $16,7 bi para $15,3 bi.