Brasil está em terceiro lugar nos jogos Pan-Americanos de Lima

Brasil ocupa no momento o terceiro lugar na classificação geral, atrás do México (12 de ouro, 6 de prata e 14 de bronze) e dos EUA com 45 medalhas (18 de ouro, 17 de prata, 10 de bronze)

0
1950
Mais de 480 atletas brasileiros disputam os Jogos Pan-Americanos de Lima (Foto: Wander Roberto/COB)
Mais de 480 atletas brasileiros disputam os Jogos Pan-Americanos de Lima (Foto: Wander Roberto/COB)

A delegação brasileira está fazendo bonito nos Jogos Pan Americanos 2019 que estão sendo disputados em Lima. Até o momento foram conquistadas 27 medalhas, sendo 8 de ouro, 6 de prata e 13 de bronze. Assim, o Brasil ocupa no momento o terceiro lugar na classificação geral, atrás dos EUA com 45 medalhas (18 de ouro, 17 de prata, 10 de bronze) e do México (12 de ouro, 6 de prata e 14 de bronze).

Ainda há muitas competições para se disputar até o dia 11 de agosto, encerramento dos Jogos Pan Americanos, entretanto dois países vêm apresentando desempenho abaixo do que se esperava: Cuba e Canadá, que ocupam respectivamente o 6º e o 7º lugares.

Ginástica

O dia de ontem (29) foi bom para o Brasil que conquistou medalha de ouro e de prata na ginástica masculina, com Caio Souza (ouro) e Arthur Nory (prata) nas provas individuais. O Brasil já havia conquistador ouro por equipe também em ginástica no domingo (28). Vale destacar que os dois medalhistas, que são amigos também fora dos ginásios, têm 25 anos e tiveram de superar cirurgia, no caso de Caio, que tefve de operar o tornozelo doios meses antes da competição, e doença crônica na cartilagem do joelho, que causa muitas dores a Arthur Nory. Nada, porém, se compara à alegria de ostentar as medalhas em seus peitos.

Canoagem

O baiano Isaquias Queiroz foi ouro na prova de Canoagem Velocidade C1 superando a revelação cubana Fernando Jorge e somando mais uma medalha em sua galeria. É grande esperança de medalha na Olimpíada de Tóquio no ano que vem. O tempo de 3m47s631 seria ouro nas Olimpíadas do Rio, em 2016, e mesmo no Mundial de Montemor, em 2018, entretanto, ele sabe que seus adversários estão bem preparados e terá de continuar a treinar forte para chegar como um dos favoritos.

Taekwondo

O taekwondo brasileiro mudou de patamar nos últimos anos. De coadjuvante com conquistas pontuais, a seleção passou a ter uma das melhores equipes do planeta. Isso foi mostrado no Campeonato Mundial, disputado em maio, em que o país conquistou cinco medalhas, e confirmado nos Jogos Pan-Americanos, com sete pódios em oito possíveis.

O Brasil fechou a sua melhor campanha na história do taekwondo em Jogos Pan-Americanos com a medalha de ouro de Milena Titonelli na categoria até 67 Kg. De quebra, a lutadora de 20 anos foi a primeira mulher do país a ser campeã da modalidade em Jogos Pan-Americanos. Nesta segunda-feira, os brasileiros conquistaram quatro medalhas. Além do título de Milena, Ícaro Martins (-80 Kg) perdeu na final e ficou com a prata, e Maicon Andrade (+80 Kg) e Raiany Fidelis (+67Kg) levaram o bronze. Assim, o Brasil termina com sete medalhas no taekwondo em Lima: dois ouros, duas pratas e três bronzes.

Triatlo

O triatlo brasileiro encerrou no Pan com o segundo ouro em três possíveis em prova que vai estrear nos Jogos Olímpicos de Tóquio: o revezamento misto. As potências do esporte são Estados Unidos, Austrália e Nova Zelândia, mas as americanas não trouxeram sua equipe principal para Lima, que poderia ter dado trabalho ao time formado por Luisa Baptista, Vittoria Lopes, Manoel Messias e Kauê Willy.

Foi o primeiro ouro do Brasil no Pan 2019 e é inédita também a medalha dourada na prova feminina de triatlo, um feito que fica para a história de Luisa Baptista. Mas a prova não tinha as principais adversárias das Américas. Estados Unidos e Canadá, potências do esporte, levaram atletas sem chances de ir a Tóquio e que nem disputaram as principais provas do circuito mundial. As melhores ranqueadas em 2019 eram justamente as medalhistas: Vittoria Lopes, que fez a dobradinha brasileira, é a 32ª, a mexicana Cecila Perez, que foi bronze, a 48ª, e a própria Luisa a 49ª.

Patinação artística

Foi também a primeira vez que o Brasil levou ouro na categoria feminina da patinação artística com o show apresentado por Bruna Wurts, que só não tem estrelas nesta avaliação, porque, infelizmente, a prova não é olímpica. Fica a celebração do Pan e a vitória sobre a argentina Gisele Soler, que buscava o bicampeonato, já que foi a campeã em Toronto 2015. Bruna é ainda a atual campeã sul-americana, título conquistado em abril deste ano, em Joinville.