Brasil supera Rússia e é o segundo país do mundo em número de casos de coronavírus

Números da Johns Hopkins University mostram 418 mil casos e mais de 25 mil mortes no país

0
475
Com mais de 1.000 mortes por coronavírus em um único dia, o Brasil superou a Rússia (Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil)
Com mais de 1.000 mortes por coronavírus em um único dia, o Brasil superou a Rússia (Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil)

DA REDAÇÃO – A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera a América do Sul “o novo epicentro da pandemia do coronavírus” e o Brasil já está em segundo lugar no número de casos no mundo. 

O país contabiliza cerca de 418 mil casos confirmados de Covid-19 e mais de 25 mil mortes, de acordo com a Johns Hopkins University em números divulgados na quinta-feira (28). Pelo menos 191.845 pacientes se recuperaram.

Com mais de 1.000 mortes por coronavírus em um único dia, o Brasil superou a Rússia e se tornou o segundo país do mundo em número de casos confirmados, atrás somente dos Estados Unidos. 

O jornal francês Le Monde, que deu destaque à notícia em seu site, lembrou que o número de mortes dobrou em apenas 11 dias, mas como o país demorou para começar a testar a população, pode haver mais vítimas. Até agora, o segundo país mais afetado era a Rússia, com 379 mil contágios.

Os estados com mais casos são: São Paulo, com 89 mil casos e 6 mil mortes; Rio de Janeiro com 42 mil casos e 4 mil mortes; Ceará com 37 mil casos e 2,6 mil mortes; Amazonas com 33 mil casos e 1.8 mil mortes e o Pará com 31 mil casos e 2.5 mil mortes. 

A crise da saúde no Brasil acontece em um momento de forte confusão política, marcada por divergências entre a maioria dos governadores, a favor de medidas de confinamento, e o presidente Jair Bolsonaro, que critica as medidas de isolamento social alegando o impacto econômico.

“Vimos o número de casos aumentando em muitos países da América do Sul, mas claramente o mais afetado nesse estágio é o Brasil”, diz Michael Ryan, responsável das situações de emergência da OMS.

Os Estados Unidos ainda lideram o ranking com 1,7 milhão de casos e mais de 100 mil mortes.