Brasileira mãe de dois filhos e sem ficha na polícia vai ser deportada em setembro

“Espero que o que aconteceu comigo sirva de alerta para outros imigrantes sem documentos que pensam que estão salvos de qualquer coisa”, disse a mineira

0
7946
Brasileira vai ter que ir embora para o Brasil no dia 14
Brasileira vai ter que ir embora para o Brasil no dia 14

DA REDAÇÃO – A história da mineira de Contagem (MG), Michele (o sobrenome foi omitido a pedido da entrevistada), começou em 2005 quando ela entrou nos EUA pelo México, foi presa pela Imigração e teve uma audiência marcada para seis meses depois. Michele foi para a região de Massachusetts, nunca compareceu à Corte e teve uma ordem de deportação emitida em seu nome.

Desde que se envolveu em um acidente de trânsito quando foi levar o filho ao médico em 2009, Michele tem comparecido regularmente à Imigração – tem social security, permissão de trabalho e carteira de motorista – e não teve qualquer outra ocorrência policial ao longo dos 12 anos que vive nos EUA. Casada e mãe de dois filhos, de 8 anos e 3 anos, nascidos em Massachusetts, ela recebeu uma ordem para deixar o País. Ela volta para Brasil no dia 14 de setembro com os filhos. Hoje eles vivem em Framingham (MA).

“Na época em que vim pelo México, as pessoas disseram para eu não comparecer à Corte de jeito nenhum e foi o que eu fiz. Comecei a trabalhar e segui minha vida. Até que em maio de 2009, quatro anos depois de eu ter chegado, meu filho nasceu com alguns problemas de saúde e eu tinha que dirigir para levá-lo ao pediatra sempre. Numa dessas idas, me envolvi em um acidente de carro em que o outro motorista era culpado”, contou Michele em entrevista ao AcheiUSA.  “Na época, entreguei meu passaporte ao policial, confirmei que não estava legal no País, ele me devolveu o passaporte e apareceu na minha casa dois dias depois com dois agentes do ICE. Eles marcaram uma Corte para mim, eu compareci e, por causa do meu filho, me deram um ano para ficar”, completou.

A partir dessa data, Michele passou a ir à Corte sempre acompanhada de uma advogada e eles renovavam anualmente a sua permanência. “Desde 2010, eu já sabia que algo poderia acontecer, mas a advogada conseguiu provar que meus filhos precisavam de mim. Até que o Trump ganhou e eu sabia que as coisas seriam piores”. Em janeiro de 2017, a Imigração negou o pedido para ela permanecer, a advogada recorreu, em abril ela compareceu novamente a uma audiência com outro pedido até que em julho eles ordenaram que Michele comprasse uma passagem para o Brasil.

“Eles me deram dois meses para ir embora, mandaram eu comprar a passagem sem escalas nos EUA. Caso contrário, eu entraria na lista de procurados e não é isso o que eu quero”.

Michele tem outra audiência marcada no dia 21 de agosto, quando vai apresentar a passagem aos agentes. “O policial me disse que eles vão me entregar uma carta indicando que não tenho antecedentes criminais. Tenho fé em Deus e sei que minha história neste país ainda não terminou”. Agora, ela vai para o Brasil começar a vida do zero. “Espero que o que aconteceu comigo sirva de alerta para outros imigrantes sem documentos que pensam que estão salvos de qualquer coisa. A nova política do Trump é deportação, não importa se é criminoso ou pai de família”, disse a mineira.