Brasileiro diz ter sido roubado e espancado na rua em Newark (NJ)

Jovem disse que estava voltando para casa depois do trabalho quando foi atacado

0
5170
Imigrante foi espancado e roubado em NJ
Imigrante foi espancado e roubado em NJ

DA REDAÇÃO, COM BRAZILIAN VOICE – No domingo (30), o brasileiro Enderson Leonel Sanches, de 25 anos, natural de Duque de Caxias (RJ), retornava para casa depois de um dia de trabalho quando foi brutalmente espancado e roubado por dois homens em Newark (NJ)

De acordo com relato do jovem ao jornal Brazilian Voice de New Jersey, Enderson trabalha como garçom na cidade de Montclair e caminhava ao longo da McWhoter St., nas proximidades da Lafayette St., quando percebeu que estava sendo seguido por um indivíduo. Ao se aproximar de uma área mais escura, próxima a uma árvore, o indivíduo puxou a bolsa do brasileiro e foi ajudado pelo comparsa que acompanhava do outro lado da rua. A vítima levou uma rasteira e, quando caiu ao chão, recebeu murros na cabeça, enquanto um dos indivíduos vasculhava seus bolsos em busca de objetos de valor.

Os ladrões levaram a carteira da vítima com dinheiro e documentos, relógio bolsa e óculos, deixando para trás as chaves e o aparelho celular. Desnorteado e com receio de seguir em frente, ele foi para a casa de um amigo na Ferry St., que o levou ao Hospital Universitário (UMDNJ). Como passou várias horas no hospital para receber atendimento, até a tarde de segunda-feira (31), Enderson não havia ido à delegacia de polícia para registrar a ocorrência, explicando que esperava a chegada de um amigo do trabalho para fazê-lo. Ele sofreu um corte próximo ao olho direito e outro na narina direita, além de hematomas e inchaço por todo o rosto.

A vítima descreveu os agressores como americanos negros, com idade entre 20 e 30 anos, altos, um tinha cabelo curto e o outro tinha trancinhas até a altura do pescoço.

“Já passei por alguns sustos, os amigos alertam, mas a gente acaba pagando para ver”, disse Sanches, que agora fará o trajeto de taxi ou carona, quando chegar à Penn Station de Newark. “As pessoas me avisaram”.

Enderson mora há 4 anos e meio nos EUA, já trabalhou em uma padaria no Ironbound e reclamou da violência na área. “A gente vê a polícia em locais movimentados e tomando conta de obras, mas nunca patrulhando em áreas escuras e desertas. Eu sei que não é possível cortar todas as árvores, mas elas poderiam pelo menos ser podadas e os locais melhores iluminados”, disse ele.

Enderson tinha agendada para a terça-feira (1) uma viagem de passeio à Colômbia que provavelmente terá que ser adiada devido aos ferimentos que sofreu no rosto. “Como eu vou viajar com o rosto nessas condições?!” Questionou ele. “É uma viagem de passeio, caso eu melhore, até irei. Ainda não sei. Eles não me bateram com as mãos puras; parecem que tinham um soco inglês”, especulou.