Brasileiro pode ser deportado após atropelar idoso

Caso foi enquadrado como acidente de trânsito, mas vítima morreu dias depois, levando o processo de Valeriano para a esfera criminal

0
1861
Valeriano, com a família: “Situação é delicada, mas tenho fé” (Foto: Facebook – arquivo pessoal)

Um brasileiro da Califórnia está em situação delicada depois de se envolver em uma infelicidade no trânsito, na cidade de San Francisco. No início de novembro, o goiano Valeriano Júnior, motorista de aplicativo, atropelou um idoso e o caso, a princípio, foi enquadrado como acidente. Com a morte da vítima, alguns dias depois, a ocorrência passou para a esfera criminal, e agora o brasileiro corre o risco de ser preso e até deportado, pois está com a condição imigratória irregular.

“Foi uma infelicidade e o meu futuro agora está em jogo”, disse Valeriano, conhecido como Potão, em uma conversa pelo telefone com a reportagem do AcheiUSA. Na hora do atropelamento, às 8am (hora local) ele não estava dirigindo em velocidade acima do permitido naquela via, nem tão pouco alcoolizado. Na verdade, Potão foi o primeiro a prestar assistência o pedestre e aguardou no local a chegada da polícia e da ambulância. Ele acredita que o idoso estava atravessando a rua fora da faixa, mas isso está sendo averiguado pela perícia.

Valeriano precisou contratar um advogado para cuidar de todas as pendências com a Justiça: a criminal, a imigratória e a civil, pois a família da vítima pode processar o brasileiro em busca de reparação. Por isso, amigos e familiares estão se movimentando para organizar eventos de arrecadação de fundos para custear esta batalha jurídica, em todas as frentes. Além disso, o grupo abriu uma conta no Go Fund Me (https://www.gofundme.com/f/ajuda-ao-valeriano-junior-potao), na expectativa de sensibilizar toda a comunidade.

O brasileiro é casado e tem um filho de quatro anos, que inclusive precisa de tratamento e cuidados médicos especiais, devido a uma enfermidade. “A situação é complicada, mas tenho fé que tudo vai se resolver”, afirmou Potão.