Capixabas que mataram brasileira em Los Angeles pegam 37 anos de prisão no Espírito Santo

Dois homens foram condenados por homicídio triplamente qualificado pela morte da mineira Ana Paula Feitosa, em 2020, na Califórnia

0
2267
Ana Paula Feitosa foi assassinada por asfixia em 2020, em Los Angeles. Foto: Reprodução Facebook

Os capixabas Thiago Philipe Souza Bragança e Wenderson Junior da Silva, assassinos confessos da mineira Ana Paula Feitosa em janeiro de 2020, foram condenados a 37 anos de prisão em regime fechado. O julgamento aconteceu em Vitória, no Espírito Santo, na quinta-feira (10). Ana Paula Feitosa dos Santos Braga, de 24 anos, foi morta por asfixia no dia 30 de janeiro de 2020, na casa que havia acabado de alugar em Los Angeles, Califórnia. Essa é a primeira vez que um crime cometido nos Estados Unidos é julgado no Brasil.

Eles foram condenados por homicídio triplamente qualificado, considerando motivo fútil, asfixia e recurso que impossibilitou a defesa da vítima; ocultação de cadáver; e furto do carro, celular e dinheiro da vítima, com duas qualificadoras, que foi abuso de confiança e concurso de pessoas (os dois agiram juntos).

Dois americanos, um agente do FBI e um policial de Los Angeles, participaram do julgamento na capital capixaba. Eles foram ao Brasil acompanhados de tradutores para relatar aos jurados como foram feitas as investigações que chegaram aos assassinos de Ana Paula. Em uma fuga impressionante, os acusados percorreram vários estados americanos, passando pelo México, até retornarem ao Brasil, onde foram presos. Segundo o superintendente da Polícia Federal do Espírito Santo, Eugênio Ricas, a fuga foi motivada, principalmente, pelo medo dos criminosos da legislação penal da Califórnia. “A Califórnia tem pena de morte e eles mataram a Ana em Los Angeles, um crime bárbaro e covarde. Fugiram para o Brasil com medo da pena de morte, se lá fossem condenados”, declarou.