China acusa governo dos EUA de espalhar pânico devido ao coronavírus

Dados mais recentes mostram que 362 pessoas morreram e mais de 17 mil foram infectadas pelo vírus; brasileiros na China fazem apelo para serem repatriados ao Brasil

0
1396
Coronavírus já matou 362 pessoas (Arte Wikimedia Commons)

O governo chinês atribuiu aos Estados Unidos a culpa por disseminar o medo e o preconceito contra os chineses devido às infecções pelo coronavírus. Dados divulgados nesta segunda-feira (3) mostram que 361 pessoas já morreram na China, uma nas Filipinas, 17.238 casos suspeitos na China e outros 148 casos suspeitos em outros países. 

O governo americano “foi o primeiro a retirar os funcionários do consulado em Wuhan, a mencionar a retirada parcial dos funcionários da embaixada e a impor uma proibição de entrada no território aos visitantes chineses”, disse Hua Chunying, porta-voz da diplomacia de Pequim.

“Não param de criar e espalhar o pânico, o que dá um exemplo muito ruim”, completou, durante uma apresentação na rede social chinesa WeChat.

Washington proibiu a entrada em território americano de todos os não residentes procedentes da China e recomendou a seus cidadãos que evitem viajar ao país asiático ou abandonem o país. A medida afeta muitos chineses e estrangeiros, que estão impossibilitados de voltar a seus postos de trabalho, a suas universidades ou de fazer turismo nos Estados Unidos.

“O governo americano não nos deu até agora nenhuma ajuda substancial”, disse Hua, antes de acrescentar que a China já recebeu insumos médicos de vários países, como França, Japão, Turquia, Paquistão, Irã, Rússia e Reino Unido.

A China precisa de maneira urgente de máscara e outros produtos médicos, como óculos e trajes de proteção, para enfrentar a epidemia do novo coronavírus, destacou a porta-voz.

Brasileiros na China fazem apelo

Neste domingo (2), um grupo de brasileiros que está na China publicou uma carta aberta, no YouTube, pedindo ajuda ao governo brasileiro para retornar ao Brasil. No vídeo, o grupo afirma que está disposto a passar por quarentena após chegar ao Brasil.

O Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse nesta segunda-feira (3) que o governo brasileiro ainda está finalizando os trâmites para trazer os cerca de 40 brasileiros que estão em Wuhan, mas que ainda não há data definida para o voo. Ele acrescentou que a repatriação se aplica apenas aos brasileiros em Wuhan, já que os que estão fora da cidade têm o direito de de ir e vir e podem sair da China sem o apoio do governo.

“Vamos trazer as pessoas que estão em Wuhan porque a cidade está em estado de bloqueio determinado pela autoridade de saúde da China”, disse. “Vamos trazer as pessoas que queiram vir. Em segundo lugar as que estejam em condições de vir e em terceiro, que se garanta a proteção do coletivo com as medidas de saúde necessárias”, afirmou Mandetta. (Com informações do G1 e Agência Brasil)