Cinema brasileiro invade as telas de Hollywood

Produções nacionais ganham destaque no Los Angeles Brazilian Film Festival, que comemora 15 anos de existência

0
1700
Romance inspirado na música “Eduardo e Mônica” abre o festival (Foto: Mariana Vianna/Divulgação)
Romance inspirado na música “Eduardo e Mônica” abre o festival (Foto: Mariana Vianna/Divulgação)

Se você viveu nos anos 80, com certeza se lembra da famosa música “Eduardo e Mônica”. Assinada pela icônica banda Legião Urbana, a letra fala de um casal que não tem nada em comum, só o seu sentimento um pelo outro. Essa história de amor entre os completamente diferentes foi transposta para as telas recentemente e estreia no Los Angeles Brazilian Film Festival (LABRFF) na noite de sábado (5).

Serão 5 dias com uma programação intensa, que inclui cerca de 30 filmes, dentre longas, documentários, e curtas, além de painéis e networking. A noite de abertura será no Harmony Gold Theater, em Hollywood, às 18h30. O ingresso de $60 inclui a exibição do filme “Eduardo e Mônica”, além de um coquetel e a oportunidade de tietar as estrelas do cinema e televisão nacionais, que voam do Brasil para cá para comparecer ao evento.

Meire Fernandes, fundadora do LABRFF, comemora 15 anos do festival (Foto: Divulgação)
Meire Fernandes, fundadora do LABRFF, comemora 15 anos do festival (Foto: Divulgação)

Nos dias seguintes, toda a programação acontece no Laemmle Monica Film Center, em Santa Mônica. O festival oferece duas modalidades de ingresso: o passe de $85, que dá direito a todos os filmes e eventos; ou a entrada de $13 por sessão. Ambos tipos estão à venda no site labrff.com, onde é possível conferir o cronograma completo.

Destaques da programação

O filme “Eduardo e Mônica” conta a história de um casal muito improvável: Mônica, uma médica residente boêmia, vivida por Alice Braga, a estrela de “A Rainha do Sul” da Netlix, também conhecida como Sol Soria do “Esquadrão Suicida”. E Eduardo, um colegial ingênuo e boa praça, encarnado por Gabriel Leone, da novela “Verdades Secretas”.

A comédia romântica foi um dos filmes nacionais mais visto no Brasil em 2020. A direção é do talentoso René Sampaio, que também já levou pras telonas outra música do Legião, “Faroeste Caboclo”, exibido no LABRFF em 2014.

“Abrir o festival com ‘Eduardo e Mônica’ simboliza que as coisas estão melhorando, o movimento da vida está tomando força. Não tenho dúvidas de que o filme vai emocionar brasileiros e americanos”, diz Meire Fernandes, fundadora do LABRFF.

Dentro da programação, o longa “O Debate” promete tocar em temas atuais. É dirigido pelo ator Caio Blat, com roteiro dos talentosos e experientes Guel Arraes e Jorge Furtado. No filme, que será exibido na terça (8), às 18h15, um editor-chefe (Paulo Betti) e uma apresentadora de uma emissora de TV (Débora Bloch), casados há muito tempo, tentam conciliar suas visões pessoais distintas, enquanto trabalham juntos na cobertura de um debate político para presidência.

Também vale conferir o longa “Eike, Tudo ou Nada”, com roteiro e direção de Dida Andrade e Andradina Azevedo, que conta a trajetória de ascenção e derrocada de um dos bilionários brasileiros mais polêmicos: Eike Batista. A sessão está programada para quarta (9), às 16h30.

Outro destaque é o longa “A Viagem de Pedro”, na segunda (7), às 20h. Com direção segura de Laís Bodanzky, o filme traz Cauã Reymond na pele de um D. Pedro I em crise existencial. Como ex-imperador do Brasil, ele está em vias de enfrentar seu irmão, que usurpou seu reino em Portugal. A bordo de uma fragata inglesa, ele busca a si mesmo, um lugar e uma pátria. O longa foi o grande vencedor do Festival Brasileiro de Miami e recebeu indicações nos festivais do Rio e São Paulo, dentre outros.

Mercado cinematográfico

Além da exibição de curtas e longas, o festival também promove painéis como “Políticas públicas para uma indústria audiovisual robusta”, marcado para segunda-feira (7), às 15h30, com o empresário e consultor Steve Solot. Ele trabalhou recentemente na Netflix e atuou também na MPA (Motion Picture Association) por décadas, com foco na América Latina, além da Rio Film Comission e da Brazilian Film Commission Network, dentre outros.

Paralelamente ao LABRFF, acontece também uma competição com cerca de 30 videoclipes, a terceira edição do Los Angeles International Music Video Festival (LAMV). Este ano, a homenageada do evento é a instrumentista, improvisadora de jazz, arranjadora e compositora sinfônica, Léa Freire. Um documentário sobre ela, “A Música Natureza de Léa Freire”, de Lucas Weglinski, que está na seleção oficial, colocará o público em contato direto com a obra da artista.

O evento é organizado pela Criatura Films, com patrocínio de Source Naturals, AG Immigration Group, Sound Marketing LA, e Consulado-Geral do Brasil em Los Angeles. ν