Coiotes brasileiros são presos em Governador Valadares por facilitar imigração ilegal

Polícia Federal acredita que cerca de 200 pessoas já entraram nos EUA com o auxílio da quadrilha

0
12421
Autoridades da PF acreditam que há mais envolvidos na região do Vale do Rio Doce, em Minas (Foto: Polícia Federal)
Autoridades da PF acreditam que há mais envolvidos na região do Vale do Rio Doce, em Minas (Foto: Polícia Federal)

A cidade de Governador Valadares, em Minas Gerais, foi o foco de uma operação da Polícia Federal que culminou na prisão preventiva, até agora, de dois homens. Segundo as investigações, eles seriam integrantes de um quadrilha responsável por um esquema de imigração ilegal para os Estados Unidos e já teriam facilitado a entrada de cerca de 200 brasileiros indocumentados na América, pela fronteira com o México.

A Operação Relicta Mori, que em latin significa “Deixado para morrer” foi deflagrada a partir da denúncia de uma família mineira atingida pelo drama daqueles que tentam entrar ilegalmente nos EUA: em abril do ano passado, o valadarense Ayron Herinsckson, saiu de sua cidade natal em direção ao sonho americano e nunca mais foi visto. O corpo do jovem foi encontrado dias depois em uma região deserta próxima à fronteira. Desde então, os policiais começaram a investigar a atuação da quadrilha, que atende principalmente aos mineiros da região do Vale do Rio Doce.

A prisão dos suspeitos não encerra os trabalhos da PF neste caso, pois há suspeitas do envolvimento de dezenas de criminosos. Na operação também foram apreendidos objetos de valor da quadrilha, entre eles veículos, dinheiro vivo e até criptomoedas, que estariam sendo usadas como forma de ocultar valores ganhos ilicitamente. Houve também o bloquei de ativos financeiros de suspeitos de integrar o grupo criminoso. Se condenados, os dois homens podem responder pelo crime de tráfico humano e homicídio, em penas que podem chegar a 26 anos de reclusão.