Copa do Mundo no Catar mexe com o mundo ocidental

Uma abertura apoteótica não conseguiu encobrir as críticas dos ocidentais ao regime teocrático que governa o Catar, regido por sheiks endinheirados que controlam o país com rigidez em termos de usos e costumes

0
481
Tim Weah, dos EUA, marcou o único gol da seleção americana no jogo desta segunda-feira (21) contra o País de Gales. Crédito: Fifa.com

A fim de fazer uma crítica velada à falta de direito, capitães de algumas seleções europeias – Inglaterra, Alemanha, Bélgica, Holanda e Suíça – pretendiam entrar em campo com a braçadeira nas cores do arco-íris, marca registrada do movimento LGBTQ. Entretanto, após a ameaça da Fifa de punir os jogadores com cartões amarelos, Harry Kane, da Inglaterra, e Adams, dos EUA, entraram com a braçadeira escrita “No Discrimination”, uma crítica velada ao fato de os homossexuais serem considerados criminosos perante as leis islâmicas, seguidas pelos monarcas do Catar.

Catar decepciona torcedores ao ser derrotado por Equador na estreia

O estádio Al Bayt, que foi palco da abertura da Copa do Mundo, também recebeu o jogo  entre o Catar, a seleção anfitriã, e o Equador, que fez história neste domingo (20). Na abertura da Copa do Mundo, La Tri venceu o Catar por 2 a 0, com dois gols de Enner Valencia, e é a primeira seleção a conseguir vencer uma anfitriã numa estreia de Mundial. O jogo foi dominado pelos equatorianos, que ainda tiveram um gol anulado aos três minutos do primeiro tempo.

A seleção do Catar mostrou um futebol de baixa categoria e é sério candidato a ser eliminado ainda na primeira fase do Grupo A, provavelmente como o pior colocado. Na sexta-feira (25), as equipes voltam a campo. O Catar enfrentará Senegal, e o Equador vai encarar a Holanda.

Holanda vence Senegal com dificuldade

O placar de 2 a 0 a favor da Holanda não retrata com exatidão o que se viu em campo nesta segunda-feira (21). Apesar de favorita, a Laranja Mecânica foi surpreendida pelo bom futebol apresentando pela seleção africana. A sorte, porém, não estava sorrindo para o Senegal. Depois de perder Sadio Mané, o craque do Bayern de Munique e grande estrela senegalesa, o zagueiro e capitão Koulibali teve de deixar o gramado por causa de uma lesão.

Durante a partida, as duas seleções se revezaram com ações ofensivas, mas no segundo tempo o volume de jogo dos senegaleses foi mais evidente, obrigando o goleiro Noppert a se tornar o melhor jogador em campo. Quando tudo indicava um empate, Gakpo se antecipou ao goleiro Edouard Mendy e abriu o placar para a Holanda. O arqueiro do Chelsea, considerado por muitos como o melhor do mundo na posição, voltou a falhar ao rebater a bola nos pés de Klaasen que marcou o segundo gol dos holandeses, no jogo apitado pelo brasileiro Wilton Pereira Sampaio.

Na segunda rodada, uma vitória da Holanda sobre o Equador praticamente garante aos europeus o primeiro lugar do grupo. O Senegal terá de derrotar o Catar, se possível com uma boa vantagem de gols, para tentar garantir o segundo lugar do Grupo A.

Antes do jogo com  o Irã, jogadores ingleses fazem protesto

As críticas dos países ocidentais se estendem também à falta de liberdade para as mulheres nos países que abraçam a religião islâmica, sobretudo na República Islâmica do Irã, adversária da seleção inglesa. O clima de terror instaurado no país depois da morte de uma iraniana que se recusou a usar o véu e acabou sendo morta pela polícia religiosa iraniana. A lei da sharia impede até mesmo que mulheres possam ir aos estádios. Por isso, as câmeras capturaram uma mulher iraniana chorando copiosamente sem usar o véu e segurando a bandeira de seu país. Até mesmo os jogadores iranianos se recusaram a cantar o hino do país antes da disputa da partida. Antes da partida, os ingleses se ajoelharam em protesto ao estilo do Black Lives Matter.

O jogo mostrou o desnível entre as duas seleções. O Irã perdeu seu goleiro titular aos 10 minutos de partida num choque contra o  zagueiro de seu próprio time. O goleiro substituto pouco pôde fazer para impedir a goleada inglesa por 6 a 2, com gols de Bellingham, Saka (duas vezes), Sterling, Rashford e Grealish. O atacante Taremi marcou os dois gols do Irã. Enfim, nenhuma supresa na vitória da Inglaterra em uma partida apitada pelo brasileiro Raphael Klaus nesta segunda-feira (21).

EUA e País de Gales ficam no empate

O primeiro empate da Copa do Mundo foi protagonizado por americanos e galeses. Torcedores das duas seleções não pouparam incentivo aos seus jogadores. O País de Gales voltou a disputar uma Copa do Mundo 64 anos depois de ter disputado a Copa do Mundo de 1958, quando o país britânico foi eliminado pelo Brasil nas quartas de final da Copa do Mundo na Suécia, ao perder por 1 a 0 com um gol antológico anotado por Pelé, na época um garoto de apenas 17 anos.

No encontro desta segunda-feira (21), a seleção americana saiu na frente com o gol de Tim Weah, filho de George Weah, que foi eleito melhor jogador do mundo quando atuava no Milan FC. Por integrar a seleção liberiana, George nunca disputou uma Copa do Mundo. Agora, como presidene da Libéria, o velho craque pôde sorrir com o gol marcado por seu filho, que mandou para as redes após uma jogada genial do craque Christian Pulisic. Se o primeiro tempo foi dominado pelos americanos, a segunda etapa mostrou uma boa evolução e chegou ao empate com o gol de pênalti marcado pela estrela Gareth Bale.

Na sexta-feira (25), Inglaterra e Estados Unidos se enfrentarão, assim como País de Gales e Irã. Ao meu ver, o English Team se classifica em primeiro lugar e a segunda vaga ficará entre os gales e os americanos. O fiel da balança deve ser o Irã, portanto, quem conseguir melhor saldo de gols contra os persas pode se classificar para a próxima fase.