Coronavírus já matou dez pessoas na Itália; número de casos chega a 220 no país europeu

Filmagens de “Missão Impossível 7” foram canceladas em Veneza por medo da doença; na China, 2.260 pessoas já morreram e outras 77 mil foram infectadas

0
825
Coronavírus causa medo na Itália (Foto Wikemedia Commons)

Na Itália, o número de casos do novo coronavírus chegou a 322 e dez pessoas morreram, todos idosos com problemas de saúde.  Onze pequenos municípios, quase todos na região Norte do país, foram classificados como zona vermelha para transmissão da doença.

Cinquenta mil pessoas estão isoladas em quarentena obrigatória, vigiadas pela polícia. Ninguém entra e ninguém sai. Quem descumprir pode pegar até três meses de prisão.

Para se ter ideia do medo que a infecção pelo vírus tem provocado na Itália, as equipes do filme “Missão Impossível 7” anunciaram uma pausa nas gravações. O astro do filme, Tom Cruise, não viajou para o país.

A Paramount tinha programado três semanas de filmagens em Veneza, mas com o alerta dado pelo governo italiano, toda a equipe foi deslocada para outras cidades ou até mandada de volta ao seu país de origem.

Autoridades de saúde intrigadas

O que mais intriga as autoridades de saúde é que nenhum dos doentes do Norte da Itália esteve na China.

A capital da Lombardia, Milão, está deserta. As autoridades fecharam bares, museus, cinemas, discotecas e igrejas. Até a monumental catedral gótica e o famoso teatro de opera, Scala de Milão. Tudo que reúne pessoas foi proibido.

O mesmo acontece em algumas cidades das outras seis regiões onde o vírus está presente. A região do Veneto cancelou os dois últimos dias do carnaval da capital, Veneza. Escolas e universidades vão ficar fechadas inicialmente até 1º de março e a população, com medo, esvaziou os supermercados.

Preocupada, a União Europeia elogiou a rapidez das ações italianas de controle e afirmou que ainda não planeja impor restrições de viagens dentro do bloco.

Mais ao Sul, em Roma, não há novos casos do novo coronavírus, apenas os dois turistas chineses que estão no hospital desde o início de fevereiro.

Preocupada, a União Europeia elogiou a rapidez das ações italianas de controle e afirmou que ainda não planeja impor restrições de viagens dentro do bloco.

A Organização Mundial da Saúde afirmou que ainda é cedo para classificar o surto como uma pandemia, que é quando a doença atinge escala global. Mas avisou que as nações precisam estar preparadas. A Itália é o país com maior número de casos fora da Ásia.

Na China, 2.260 pessoas já morreram e outras 77 mil foram infectadas. (Com informações do G1 e agências de notícias)