No Brasil, Correios anunciam aumento nas tarifas em 8%; lojistas reclamam

0
1748
Correios anunciaram rejuste de tarifas no Brasil
Correios anunciaram rejuste de tarifas no Brasil

Os Correios anunciaram que vão aplicar um reajuste médio de 8% nas tarifas do frete de encomendas para os objetos postados entre capitais e nos âmbitos local e estadual já a partir do dia 6 de março. A empresa não divulgou uma tabela de preços praticados no balcão através do Sedex e outros serviços, e não informou os percentuais de reajuste para outras localidades do país. Os Correios afirmaram ainda que se trata de uma revisão anual de preços e que a definição dos valores cobrados “é baseada no aumento dos custos relacionados à prestação dos serviços, que considera gastos com transporte, pagamento de pessoal, aluguéis de imóveis, combustível, contratação de recursos para segurança, entre outros”.

De acordo com especialistas, os novos valores de frete vão atingir as transações realizadas no varejo online em todo país, incluindo pequenos e médios empreendedores. Para órgãos de defesa do consumidor, essa conta será repassada ao comprador de produtos eletrônicos.

“Esse movimento dos Correios é muito sério e, em alguma medida, o aumento será repassado ao consumidor final que faz compras pela internet. O que lamento é não haver mais competição no mercado de entregas. O que podemos dizer é que deve fortalecer o comércio local e a regionalização”, avalia André Miceli, coordenador do MBA em Marketing Digital da Fundação Getulio Vargas (FGV).

Campanha contra reajuste

O anúncio do aumento levou lojas virtuais a iniciarem uma campanha na tentativa de mobilizar seus clientes contra o reajuste. O Mercado Livre, por exemplo, diz que o ajuste impacta diretamente os pequenos e médios empreendedores, ressaltando que só na plataforma mais de 110 mil famílias têm as vendas no marketplace como fonte de renda. O site comparou o custo do frete no Brasil com outros países onde também opera e diz que o serviço brasileiro seria 42% mais caro do que o da Argentina, 160% mais caro do que o México e 282% mais caro do que o da Colômbia.

A Defensoria Pública da União (DPU) no Rio de Janeiro abriu procedimento para avaliar os reajustes de preços a serem aplicados pelos Correios a partir do próximo dia 6. Uma das ações da empresa é passar a cobrar R$ 3,00 para cada encomenda enviada para a cidade do Rio. A justificativa é a violência na cidade. (Com informações da Agência Brasil e G1).