Covid-19: Brasil recebe 527 mil novas doses de vacina da Pfizer

Lotes, procedentes de Miami, chegaram nesta quinta (3) a Campinas

0
606
Mais vacinas da Pfizer chegaram ao Brasil (Foto: Reuters)
Mais de 80 milhões de pessoas aptas a tomar a vacina nos EUA ainda não tomaram (Foto: Reuters)

O Ministério da Saúde recebeu, no fim da tarde de quinta-feira (3), o último de três lotes, vindos de Miami, com doses da vacina contra covid-19 da Pfizer/BioNTech. O lote, que chegou ao Aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP), tem 527 mil doses. Somadas às outras remessas, de 936 mil doses cada, recebidas na última terça-feira (1º) e quarta-feira (2), serão mais 2,3 milhões de doses nesta semana.

Com o novo lote, mais de 5,8 milhões de doses terão sido entregues ao Ministério da Saúde pela farmacêutica desde o fim de abril. Desse total, 3,5 milhões de doses de vacinas da Pfizer já foram distribuídas aos estados brasileiros e ao Distrito Federal.

Dois contratos firmados entre o governo federal e a farmacêutica vão garantir 200 milhões de doses da vacina até o fim do ano. Segundo o Ministério da Saúde, nesta semana o Brasil atingiu a marca de mais de 100 milhões de doses de vacinas dos laboratórios contratados, distribuídas ao país pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI).

O Brasil ultrapassou na quarta-feira (2) a marca de 100 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 distribuídas. A expectativa para o mês de junho, segundo o Ministério da Saúde, é distribuir 40 milhões de doses de imunizantes, um recorde até o momento. Em maio, foram entregues a estados e municípios 33 milhões de doses das vacinas.

O Ministério da Saúde disse ainda que 600 milhões de doses de vacinas covid-19 já foram encomendadas e a maior parte dos imunizantes deve chegar até o fim do ano. “A quantidade é suficiente para imunizar toda a população acima de 18 anos de idade”, informou a pasta.

O ministério ressaltou o fato de o país ter condições de iniciar a produção da vacina AstraZeneca com insumos 100% nacionais. Na terça-feira (1º) a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) assinou contrato de transferência de tecnologia com a AstraZeneca para a produção do ingrediente farmacêutico ativo (IFA), matéria-prima para a produção dos imunizantes, no Brasil.