Covid-19: Risco de contaminação em cruzeiros é 4 em uma escala de 1 a 5, diz CDC

O órgão havia afrouxado as regras para as viagens em navios de cruzeiros, mas voltou atrás e recomendou que as pessoas não embarquem

0
1062
Cruzeiros foram impedidos de funcionar em março (foto: Pricess Cruises - divulgação)
Cruzeiros foram impedidos de funcionar em março (foto: Princess Cruises - divulgação)

Pouco tempo depois que o Centers for Disease Control (CDC) emitiu um sinal verde para a retomada das atividades dos cruzeiros, o órgão voltou atrás e atualizou a classificação dos navios para um dos níveis mais altos em risco de contaminação por covid-19.

Em um comunicado emitido no final da semana passada, o CDC classificou a probabilidade de infecções em cruzeiros para nível de 4, em uma escala de 1 a 5.

No dia 30 de outubro passado, o CDC suspendeu a medida que há oito meses proibia o embarque de passageiros em navios, implementando uma nova ordem intitulada  “Conditional Sailing Order.”

A ordem autoriza o funcionamento dos cruzeiros desde que submetidos a uma avaliação para constatar o cumprimento de uma série de medidas sanitárias.

A SeaDream I foi a primeira que se propôs a pôr em prova a segurança sanitária da embarcação e agendar uma viagem com passageiros. O navio zarpou de Barbados, no Caribe, no dia 7 de novembro, com a proposta de levar os passageiros para várias praias , incluindo Miami.

“Estamos recebendo hóspedes em nossa primeira viagem ao Caribe de 7 dias, saindo de #Barbados. Esta viagem nos levará a belas praias enquanto desfrutamos de um ambiente seguro a bordo e de um serviço exclusivo da #SeaDream. Orgulho de ser a única linha atualmente navegando no Caribe!” escreveu a empresa no twitter.

Pouco tempo depois, a empresa retornou para Barbados após vários tripulantes e funcionários testarem positivo a bordo. A empresa suspendeu por conta prórpia os embarques até o ano que vem.

A nova orientação do CDC especifica que “os passageiros que decidem fazer um cruzeiro devem fazer o teste de 3 a 5 dias após a viagem”.

O conselho da agência é que “para a maioria dos viajantes, a viagem de navio de cruzeiro é voluntária e deve ser reprogramada para uma data futura”.

Mas, apesar dos avisos, muitos amantes de cruzeiros estão ansiosos para embarcar novamente. A principal empresa de cruzeiros, a Royal Caribbean disse que foi inundada por pedidos de viajantes que buscavam se inscrever em seu esquema de cruzeiro experimental, que ainda está em fase de planejamento.

Michael Bayley, presidente e CEO da Royal Caribbean, disse em um post no facebook que 100 mil pessoas haviam registrado interesse até agora.