De forma vaga, Trump ameaça fazer grande ‘varredura’ e deportar milhares de indocumentados

Presidente disse que na próxima semana serão realizadas diversas operações do ICE em todo o País

0
8284
Operação realizada pelo ICE New Orleans prendeu 33 imigrantes na região FOTO ICE
Operação realizada pelo ICE New Orleans prendeu 33 imigrantes na região FOTO ICE

O presidente Donald Trump ameaçou (mais uma vez) imigrantes indocumentados e anunciou na segunda-feira (17) que “milhões” serão deportados na próxima semana. Trump não deu qualquer detalhe sobre as operações que seriam feitas pelo U.S. Immigration and Customs Enforcement (ICE).

Trump disse que o ICE vai deportar os imigrantes “assim que eles forem presos” e criticou mais uma vez os Democratas. O presidente não especificou qual serão as ações apenas disse que serão na próxima semana.

Os posts foram feitos no Twitter, pouco antes de o presidente oficializar sua candidatura às eleições de 2020, nesta terça-feira (18), em concorrido comício em Orlando (FL).

“Na próxima semana o ICE vai começar a remover milhares de imigrantes ilegais que entraram nos Estados Unidos. Eles serão removidos tão rápido quanto entraram. O México, usando sua forte lei imigratória, está fazendo um ótimo trabalho parando essas pessoas antes que elas cheguem à fronteira. A Guatemala está pronta para assinar o Safe Third Agreement. Os únicos que não estão dispostos a fazer nada são os Democratas no Congresso. Eles precisam votar para se livrar de todas as brechas e organizar (os processos) de asilo. Se isso acontecer, a crise na fronteira acaba rápido”, postou Trump.

Uma fonte consultada pela CNN disse que os alvos serão imigrantes com ordem final de deportação. “Esses serão prioridade”.

Outras autoridades americanas com conhecimento sobre os preparativos disseram que a operação não era iminente e que os funcionários do ICE não estavam cientes de que o presidente divulgaria planos confidenciais de aplicação da lei no Twitter. Os funcionários falaram sob condição de anonimato porque não estavam autorizados a falar publicamente. (Com informações da CNN)