Deputado cassado Eduardo Cunha é preso em Brasília

Ministério Público Federal (MPF) alegou que a liberdade de Cunha representa riscos à investigação, à ordem pública e à aplicação da lei penal

0
1457
EEduardo Cunha foi preso em Brasília
Eduardo Cunha foi preso em Brasília

Da Redação com O Globo – O deputado cassado Eduardo Cunha foi preso na quarta-feira (19) em Brasília, no âmbito da Operação Lava Jato. O pedido de prisão preventiva do ex-presidente da Câmara dos Deputados foi emitido pelo juiz Sérgio Moro, que conduz as investigações da Lava Jato, na primeira instância.

A Polícia Federal (PF) confirmou a prisão preventiva e informou que Cunha está sendo levado para o hangar da PF no Aeroporto de Brasília para embarcar para Curitiba (PR), onde estão sendo conduzidas as investigações.

No pedido de prisão, o Ministério Público Federal (MPF) alegou que a liberdade de Cunha representa riscos à investigação, à ordem pública e à aplicação da lei penal.

Antes de encontrar Eduardo Cunha em Brasília, a Polícia Federal tentou prendê-lo em sua casa na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio, durante a manhã desta quarta.

Após não encontrá-lo, os agentes da PF foram ao apartamento funcional que ele ainda ocupava na Asa Sul, em Brasília. Eduardo Cunha já tinha uma mala preparada para uma eventual prisão.

Cunha não teve nenhuma reação a prisão. Ele estava na companhia de um de seus advogados. Um outro advogado do ex-presidente da Câmara reclamou da prisão: “É um absurdo. O Supremo ficou com o pedido de prisão por quatro meses e não decretou a prisão. Desde então, não há fato novo”, disse Pedro Velloso.

Ao pedir a prisão de Eduardo Cunha, o Ministério Público Federal (MPF) não apresentou novos elementos de prova contra o deputado, além do que já foi tornado público em investigações anteriores. Mas sustentou que sua liberdade “representa risco à instrução do processo, à ordem pública, como também a possibilidade concreta de fuga em virtude da disponibilidade de recursos ocultos no exterior, além da dupla nacionalidade”. Os procuradores lembraram que Cunha tem nacionalidade brasileira e italiana.