Dezenas de cédulas de votação não entregues são encontradas em uma USPS de Miami-Dade

Após o incidente, agentes iniciaram uma operação para fiscalizar a entrega das cédulas pelas agências da USPS do condado

0
1145
Foram encontradas 48 correspondências eleitorais não entregues (foto: wikimedia)
Foram encontradas 48 correspondências eleitorais não entregues (foto: wikimedia)

Agentes especiais do U.S. Postal Service Office of Inspector General encontraram várias cédulas de votação paradas em uma agência da USPS em Princeton, perto de Homestead, no sábado (31), pela manhã.

Segundo os agentes, foram encontradas 42 cédulas que deveriam ter sido entregues aos eleitores para votarem e seis que já haviam sido preenchidas dias antes e devolvidas ao USPS, mas não foram entregues ao supervisor das eleições em Miami-Dade.

“O USPS providenciou imediatamente a entrega das correspondências eleitorais”, disse Scott Pierce, responsável pela U.S. Postal Service Office of Inspector General,  em uma coletiva de imprensa.

Pierce confirmou ao jornal Miami Herald, na tarde deste domingo, que os agentes especiais “irão iniciar uma operação em vários centros de distribuição em Miami-Dade para fiscalizar o processo de entrega dos votos”.

“Nossa investigação continua e, no momento, não estamos divulgando nenhuma declaração adicional”, disse ele.

 Até este domingo (1º), mais de 479 mil residentes de Miami-Dade haviam votado pelos correios, segundo o 2020 US General Election Early Vote Statistics.

Mas mesmo com os tribunais federais dos EUA ordenando que o USPS assegure a entrega pontual das cédulas, o incidente causou preocupação sobre a garantia de entrega dos documentos até a data limite da Flórida que é às 7 p.m. desta terça-feira (3).

A supervisora eleitoral de Miami-Dade, Christina White, disse em comunicado que, até sábado (31), cerca de 70 mil eleitores do condado haviam cancelado as cédulas solicitadas pelas vias postais, optando por comparecer  pessoalmente aos locais de votação antecipada. “O que não é visto de forma positiva pelo risco de causar aglomerações nestes ambientes”, disse a supervisora.