Diretor de imigração admite que governo dificulta acesso a vistos de trabalho

Cuccinelli, da USCIS, disse que a burocracia imposta às empresas que desejam obter o H-1B para imigrantes qualificados é “pedido de Trump”

0
1595
Cuccinelli diz que a agência está cumprindo sua missão (Foto: Gage Skidmore)

O diretor provisório da USCIS, Ken Cuccinelli, afirmou em comunicado à imprensa que os Estados Unidos têm dificultado a obtenção de vistos H-1B por parte de empresas do país. A maior autoridade de imigração do governo Trump admitiu que o aumento da burocracia nos processos de contratação de imigrantes qualificados é um pedido da Casa Branca. “Trata-se de algo positivo e cumpre a missão dada à agência”, disse Cuccinelli.

O percentual de respostas negativas a petições de H-1B cresceu de 6% em 2015 para 32% no primeiro trimestre do ano fiscal de 2019. A estatística é da National Foundation for American Policy, uma entidade sem fins lucrativos e apartidária de Washington DC, que revelou ainda que muitas empresas têm recorrido à justiça para obter o sinal verde para a contratação de funcionários considerados valiosos. Entre os imigrantes qualificados que não tiveram suas petições aprovadas estão, entre outros, cientistas, engenheiros, profissionais de informática e acadêmicos.

O diretor de imigração disse que o aumento da burocracia é para garantir uma verificação mais abrangente dos profissionais candidatos ao visto, com o objetivo de detectar e impedir fraudes. Nesse sentido, a agência tem realizado visitas às empresas e até entrevistas com candidatos, e não demonstra boa vontade em conceder o benefício. Em um documento interno obtidos junto a funcionários da USCIS, intitulado “Padrões de Exigência de Provas para o H-1B”, Cuccinelli incentivou os juízes de imigração a exigir sempre mais informações dos empregadores. Dentro desta nova realidade, muitos profissionais foram forçados a voltar aos seus países de origem, pois tiveram suas extensões de visto negadas.

“Infelizmente, ao aumentar as barreiras, os Estados Unidos e as empresas norte-americanas têm dificuldades de recrutar talento, o bem mais valioso no disputado mercado atual”, disse o advogado Vic Goel, especialistas nestes casos. Uma pesquisa realizada pela Universidade da Pensilvânia mostrou também que as restrições exageradas não são boas para o país, já que reduzem a capacidade inovadora das empresas.