Elon Musk é processado pelo Twitter para manter acordo de $44 bilhões

Rede social quer que Justiça obrigue o bilionário a concluir compra de ações

0
338
Musk é acusado pelo Twitter de uma longa lista de violações (Foto: Wikimedia Commons)
Musk é acusado pelo Twitter de uma longa lista de violações (Foto: Wikimedia Commons)

O Twitter processou Elon Musk nesta terça-feira (12) por violar o acordo de $44 bilhões para comprar a rede social. A rede pediu que um tribunal de Delaware, nos Estados Unidos, obrigue o bilionário a completar a operação pelo preço de $54.20 por ação, acordado previamente, segundo um processo judicial.

“Tendo montado um espetáculo público para colocar o Twitter em jogo, e tendo proposto e assinado um acordo de fusão favorável ao vendedor, Musk aparentemente acredita que ele —ao contrário de todas as outras partes sujeitas à lei contratual de Delaware— é livre para mudar de ideia, jogar fora a empresa, interromper suas operações, destruir o valor do acionista e ir embora”, diz o processo.


Na sexta-feira (8), Musk disse que estava rescindido o acordo, afirmando que o Twitter violou o acordo ao deixar de responder a pedidos de informações sobre contas falsas ou spam nas plataformas, o que, para o bilionário, é fundamental para o desempenho de seus negócios.


Musk revelou que estava encerrando a fusão por causa da falta de informações sobre contas de spam e declarações imprecisas da rede social, que, segundo ele, representavam um “evento material adverso”. Ele também afirmou que a demissão de dois funcionários seniores, o congelamento de contratações e a suspensão de contratos de parte da equipe que o Twitter realizou recentemente representaram uma falha da plataforma em “conduzir seus negócios no curso normal”, como o Twitter era obrigado a fazer.

O processo acusou Musk de “uma longa lista” de violações do acordo que “lançou uma mortalha sobre o Twitter e seus negócios”. As ações da rede social caíram para $34.06 nesta terça-feira (12), ante os $50 quando o acordo foi aceito pelo conselho do Twitter, no fim de abril.