Ex-policial da Flórida que matou homem por usar o celular em sessão de cinema é absolvido

Curtis Reeves que na época do crime tinha 71 anos, alegou legítima defesa; a vítima teria atirado pipoca no rosto do ex-policial

0
1865
Chad Oulson e sua esposa Nichole Oulson (foto: Facebook)

Curtis Reeves, um policial aposentado que tem hoje 79 anos, atirou e matou Chad Oulson, na época com 43 anos, durante uma sessão de cinema em Tampa (FL), em 2014. Na época, Reeves foi acusado de assassinato em segundo grau e agressão agravada por também ter atirado na mão da esposa da vítima. Nesta sexta-feira (25), a Corte Judicial de Tampa considerou que Reeves é inocente e retirou as acusações. Os advogados do ex-policial alegaram que seu cliente disparou em legítima defesa, e que ele temia ser atacado. Segundo testemunhas, a discussão entre os dois homens começou quando Reeves reclamou que Oulson estava usando o telefone para enviar uma mensagem de texto para a babá de seu filho.  Antes de ser morto, Oulson teria jogado pipoca no rosto do atirador.

Durante o julgamento, os promotores disseram que o ego de Reeves foi ferido neste momento, e que não havia ameaça real. “Em toda a sua carreira, isso é o máximo que o fez se sentir ameaçado? Pipoca não é arma. Isso é absolutamente irreal, ele disparou em uma sala de cinema lotada”, disse o promotor Scott Rosenwasser, completando: “Ele não temia nada, pois tinha mais conhecimento, mais experiência nessa área do que qualquer um neste tribunal. Estamos em um mundo perigoso”.