Família de brasileira morta nos EUA pede ajuda para levar corpo para o Brasil

Principal suspeito, ex-marido respondia por abuso; ele também morreu

0
1392

DA REDAÇÃO, COM G1 – A mãe de Alessandra de Moraes Emiliano, brasileira morta a tiros em Schererville, no estado de Indiana no sábado (2), está pedindo ajuda para arrecadar os cerca de R$ 30 mil necessários para levar o corpo da vítima ao Brasil.”A gente não tem dinheiro para mandar vir o corpo. Não temos parentes lá e estão fazendo a cabeça da minha neta para não nos atender. Ela está com a mente embaralhada, porque tudo dela era a mãe dela. Minha filha morreu no meio dessa gente. Eu estou com R$ 120 na conta e as pessoas acham que é mentira. Se as autoridades maiores não puderem me ajudar, eu não sei o que vou fazer”, disse Elizabeth Moraes, muito abalada.

O principal suspeito pelo assassinato de Alessandra é o ex-marido, o americano Richard Kalecki Jr., que foi encontrado morto no dia seguinte, em um suposto suicídio. Kalecki já tinha passagens pela polícia por abuso infantil. Ele atirou em Alessandra em seu local de trabalho. A fluminense de 37 anos tinha uma filha de 18 e estava em um novo relacionamento.

O Itamaraty confirmou a morte da brasileira e disse que a embaixada em Chicago está acompanhando as investigações e prestando assistência à família. No entanto, segundo o irmão da vítima, o eletricista Adamor Emiliano, os familiares procuraram o Itamaraty e o consulado, mas não receberam retorno. “Eles disseram que iam ajudar, mas não fizeram nada.”

Campanha
Parentes e amigos de Alessandra, que possui cidadania americana, fazem uma campanha online para arrecadar dinheiro e enviar o corpo à sua família no Brasil. “Precisamos de ajuda financeira para trazer o corpo de Alessandra para o Brasil.

“Ela conheceu outra pessoa há pouco tempo, ele também é americano. Parecia ser uma excelente pessoa, veio ao Brasil uma vez e tem ajudado muito minha sobrinha, que não tem nenhum parente por lá, só está contando com a ajuda de amigos. Minha sobrinha pretende voltar ao Brasil, mas quer completar a faculdade de medicina que prometeu para a mãe.”

A família recebe doações pela conta corrente 473777, agência 9167, do banco Itaú. Qualquer valor é bem-vindo.