Família processa Publix após ex-funcionário contrair covid-19 no ambiente de trabalho

A família alega que o ex-funcionário do Publix de South Beach foi impedido por um regulamento interno de usar máscara para se proteger do vírus. Ele faleceu em abril devido à doença

0
844
Até abril passado, o Publix não autorizava coberturas faciais pelos empregados do setor de delicatessen, carnes e frutos do mar (foto: wikimedia)
Aqueles que não foram vacinados ainda precisam usar máscaras que cubram o nariz e a boca dentro das lojas (foto: wikimedia)

Gerardo Gutierrez, 70, contraiu covid-19 enquanto trabalhava no Publix de South Beach, em Miami, e faleceu e decorrência da doença.

Segundo o processo que está sendo movido pelo advogado Michael Levine, da Stewart Tilghman Fox Bianchi & Cain, a família alega que ele foi proibido de usar máscaras por um regulamento interno que não autorizava coberturas faciais pelos empregados do setor de delicatessen, carnes e frutos do mar.

Em um comunicado divulgado pelo advogado, a filha da vítima, Ariane Gutierrez, disse: “Nossa família está em choque com o fato de o Publix impedir que seus funcionários permaneçam seguros. Por causa de suas decisões descuidadas nosso pai não está aqui conosco hoje.”

A proibição do uso de máscaras em determinados setores do supermercado ficou em vigor até meados de abril, quando todos os funcionários passar a usar a proteção.

O processo revela que Gerardo foi infectado por um colega que trabalhava no mesmo departamento.

Segundo o relatório, o outro funcionário começou a apresentar sintomas da covid-19 no final de março, incluindo tosse. Eles acusam o Publix de negligência por não considerar que ele poderia estar infectado e mandá-lo para casa, protegendo Gutierrez, “ao invés de fazê-lo ficar em um lugar onde as máscaras eram proibidas e o distanciamento social impossível”.

O funcionário infectado só foi enviado para casa após receber o resultado positivo do teste. Gutierrez foi hospitalizado alguns dias depois e faleceu no dia 28 de abril.

“Família e amigos se reuniram pelo Zoom para se despedir, sem conseguir segurar sua mão ou dar um último abraço nele”, diz o termo judicial.

Até o momento a rede Publix não se manifestou sobre o caso.