Filhos de imigrantes presos em fábricas do Mississippi vão para abrigo improvisado

“Meu pai não é criminoso”, diz menina de 11 anos, cujo pai foi preso com mais de 600 outros pelo ICE

0
2189
Criança chora porque teve o pai preso por agentes (Foto: Reprodução Canal 12)

Após a prisão de 680 imigrantes indocumentados em sete fábricas do Mississippi na quarta-feira (7), várias crianças ficaram desabrigadas e tiveram que ser levadas para abrigos improvisados por ativistas e membros de igrejas locais. No dia seguinte à operação, muitos foram levados para parentes distantes.

As crianças, muitas delas ainda bebês, tiveram que ser pegas na escola por vizinhos e até estranhos e foram levadas a um centro comunitário onde voluntários tentavam acalmá-las, segundo o canal12 News, afiliado à rede NBC. Muitas não paravam de chorar, chamando pelos pais, que foram detidos pelo governo.

Lutando contra as lágrimas, Magdalena Gómez Gregorio, de 11 anos, estava devastada por estar sem os pais.

“Governo, por favor, mostre um pouco de compaixão”, pediu ao repórter do 12 News.  “Deixe meus pais livres e todos os outros. Por favor, não deixem as crianças aqui chorando. Meu pai não fez nada, ele não é um criminoso”, disse a meninas aos prantos.

“As crianças de que estou cuidando vivem com a mãe, que está no país há 15 anos e não tem registro”, contou Christina Peralta, que é madrinha de duas filhas de imigrantes. Muitas pessoas aqui não têm documentos e estão no país há 10 ou 12 anos”.

Com a ajuda do dono da academia, Jordan Barnes, e de outros líderes da comunidade, as crianças tiveram um teto para dormir e comida doada para se alimentar.

Operação

O U.S. Immigration and Customs Enforcement (ICE) prendeu em um único dia 680 trabalhadores indocumentados em sete fábricas de alimentos no Mississippi na quarta-feira (8). Segundo informações divulgadas pelo ICE, a maior parte dos presos é de origem latina.

Cerca de 600 agentes se espalharam por fábricas de diversas companhias, cercando perímetros para impedir a fuga de funcionários. As ações ocorreram em pequenas cidades próximas a Jackson com uma força de trabalho amplamente composta por imigrantes latinos, incluindo Bay Springs, Carthage, Canton, Morton, Pelahatchie e Sebastapol.

Mais da metade deles, por não ter passagens pela polícia, foi liberada e vai responder a um processo em liberdade. (Com informações do G1 e AP)