Goiano morre em travessia do México para os Estados Unidos

Em pouco mais de 15 dias, esse é o segundo caso de um brasileiro que morre tentando fazer a perigosa travessia

0
7481
Ricardo dos Santos morreu tentando atravessar a fronteira
Ricardo dos Santos morreu tentando atravessar a fronteira

O mecânico goiano Ricardo Evangelista dos Santos, de 32 anos, foi mais uma vítima da travessia do México para os EUA. Ele era de Inhumas (GO) e, de acordo com o site da campanha para traslado de seu corpo para o Brasil, ele passou mal durante a travessia e morreu. “O mecânico Ricardo Evangelista dos Santos, estava indo aos Estados Unidos, juntamente com a sua esposa, para tentar uma vida melhor com o desejo de ajudar a sua família a partir de uma vida digna.

Segundo a irmã, a família tenta descobrir o que realmente aconteceu com Ricardo, ela só sabe que ele não sobreviveu. Agora, a família e os amigos sofrem com a perda e apelam por ajuda com esta campanha”, diz o site.

Não há, por enquanto, informações adicionais sobre a morte do brasileiro.

Quem quiser contribuir, o site da campanha é o https://padref.com/vaquinhas/ricardo-evangelista-dos-santos/

História se repete

Esta é a quinta morte de brasileiro em tentativa de entrar ilegalmente este ano nos EUA. No início de agosto, jovem Maycon Douglas Andrade Fernandes, de 24 anos, perdeu a vida na travessia.

Em junho, o corpo do mineiro Lucas Batista Barros, de 30 anos, foi encontrado na fronteira dos Estados Unidos com o México.

No dia 5 de maio, Fabrício da Silva Santos, de 31 anos, natural de Guanhães (MG), foi encontrado morto na fronteira.  Fabrício tentava entrar ilegalmente nos Estados Unidos, onde a esposa e o filho dele, de um ano de idade, estão legalmente desde dezembro do ano passado.

Em meados de março, outro brasileiro, Júlio Barcellos, de 35, morador de Roraima, morreu afogado no Rio Grande, em Nova Loreda, ao tentar atravessar a fronteira do México.

As autoridades que patrulham a fronteira alertam para os perigos da travessia. “Essa travessia, além de ilegal, é extremamente perigosa e arriscada. Milhares perdem a vida todos os anos tentando atravessá-la. Nós estamos empenhados em coibir esse tipo de imigração e o número já caiu mais de 40% desde o início do ano”, disse o Customs and Border Protection – CBP – em comunicado.