Governo da Flórida vai intensificar a fiscalização em bares e restaurantes

Em Orlando, a licença de um bar foi cassada após 13 funcionários e 28 clientes testarem positivo para a Covid-19

0
1025
(Foto Pixabay Rudy and Peter Skitterians)

O governador da Flórida, Ron DeSantis, anunciou nesta terça-feira (23) que vai intensificar a fiscalização em bares e restaurantes da Flórida para evitar a proliferação do coronavírus.

“As recomendações foram feitas por alguma razão e não estamos fazendo algo por fazer. Nós vamos fiscalizar, nós vamos cobrar. Se os restaurantes não seguirem as diretrizes e causarem aglomerações, eles perderão a licença”, disse o governador em Orlando, onde um bar foi fechado temporariamente por descumprir as medidas de distanciamento social.

A suspensão da licença para venda de bebidas no Knight’s Pub foi emitida na última segunda-feira (22) pelo Departament of Business and Professional Regulation (DBPR), após averiguar que dezenas de clientes do estabelecimento testaram positivo para o novo coronavírus. No local, 13 funcionários e 28 clientes estão com a Covid-19.

“Essa ação se baseia na constatação de que há perigo imediato para a saúde pública, segurança e bem-estar. A suspensão da licença evita danos futuros”, explicou o DBPR.

Estabelecimentos comerciais na Flórida que obtêm mais de 50% de sua receita com a venda de bebidas alcoólicas tiveram permissão para servir consumidores em seus estabelecimentos, desde que sigam diretrizes restritivas.

No bar que foi fechado, clientes consumiam drinques em pé e sem respeitar o distanciamento social, descumprindo as diretrizes da segunda fase de reabertura do comércio aprovadas pelo governador Ron DeSantis.

O Knight’s Pub poderá apelar da decisão, diz a ordem de suspensão de emergência.

A Flórida atingiu a marca de 100 mil casos de coronavírus na segunda-feira (22), com 3.173 mortes. O aumento preocupa as autoridades do Sul da Flórida, que decidiram tornar obrigatório o uso de máscaras em locais abertos. O uso das máscaras em áreas abertas não era obrigatório até então, era apenas “recomendado”. (Com informações do First Coast News e Orlando Sentinel)