Guarda Costeira encontra corpo de mergulhador brasileiro desaparecido no mar em Pompano Beach

Depois de dois dias de busca, corpo foi resgatado; homem de 50 anos tinha acabado de se aposentar

0
6112
O corpo de Antonio Almeida foi encontrado perto de Pompano Beach
O corpo de Antonio Almeida foi encontrado perto de Pompano Beach

DA REDAÇÃO, COM SUNSENTINEL –  Mergulhadores e amigos do brasileiro Antonio Almeida, de 50 anos, cujo corpo foi encontrado no domingo (25) pela Guarda Costeira entre Lauderdale by the Sea e Pompano Beach (FL), estão consternados. Antonio, um mergulhador experiente segundo amigos, estava num grupo de 34 pessoas mergulhando em águas rasas no sábado (24), quando não voltou à superfície.

Diversas equipes foram deslocadas para auxiliar nas buscas que duraram mais de 39 horas e abrangeram uma área de 939 milhas quadradas. O corpo foi encontrado por volta das 3:30 da tarde.

Almeida tinha acabado de completar 50 anos e estava mergulhando com amigos na área de Copenhagen reef. Ele e outros mergulhadores estavam a bordo do barco Lady Go Diver, de acordo com Arilton Pavan, proprietário do barco e de uma loja especializada em mergulho.

Pavan disse que Almeida era um mergulhador experiente e já tinha mergulhado com o grupo outras três vezes. “Isso tudo é muito doloroso para nós e nosso grupo, está todo mundo muito abalado”, disse Pavan ao jornal Sunsentinel.

Pavan, que não estava junto com o grupo, disse que os homens estavam na água por 30 minutos quando notaram que Antonio não subiu à superfície. Eles estavam mergulhando a 15 pés de profundidade.

Segundo o especialista, Copenhagen reef – nome dado depois que um navio com o mesmo nome afundou no local em 1898 – é muito popular entre os mergulhadores porque fica perto da costa e tem águas com profundidade de até 25 pés. O local tem naufrágios e vida submarina abundante.

“Neste dia tudo estava perfeito, a água muito clara, parecendo uma piscina”, disse Pavan.

Segundo amigos próximos, Antonio deixa dois filhos e esposa. Ele morava nos EUA há 17 anos, sendo grande parte em Massachusetts e veio para a Flórida em busca de um lugar mais quente. “Ele tinha acabado de comprar um apartamento e se aposentar. Estava curtindo a vida”, disse Juarez Madeira, amigo próximo de Almeida.