Há cem anos, as mulheres conquistavam o direito de votar nos EUA

Em um evento na Casa Branca, o Presidente Donald Trump celebrou o centenário da Emenda Constitucional que deu às mulheres o direito ao voto, perdoando Susan B. Anthony, uma das líderes do movimento sufragista nos EUA.

0
2789
O movimento das sufragistas reunia mulheres em torno da luta pelo direito ao voto (foto: pixabay)
O movimento das sufragistas reunia mulheres em torno da luta pelo direito ao voto (foto: pixabay)

Nesta terça-feira (18) comemora-se um século desde que os EUA ratificaram a 19ª Emenda Constitucional, que deu às mulheres o direito ao voto. 

Em um cerimônia comemorativa na Casa Branca, o Presidente Donald Trump concedeu perdão à ativista e líder do sufrágio feminino nos EUA, Susan B. Anthony, condenada por votar ilegalmente em 1872.

“Assinarei um perdão total e completo para Susan B. Anthony. Ela nunca foi perdoada. Por que demorou tanto tempo?”, questionou Trump.

Ele disse que essa “foi uma vitória monumental para a igualdade e a justiça e uma vitória monumental para os EUA”. 

O presidente disse que Anthony ajudou a garantir o perdão politico para outras mulheres que protestavam contra a privação do direito ao voto, mas nunca defendeu-se a si própria.

“Ela nunca foi perdoada, vocês sabiam disso?”, perguntou Trump às líderes femininas presentes no evento na Casa Branca.

A ação de Trump foi recebida como uma estratégia eleitoral para tentar atrair o eleitorado feminino, que, segundo as pesquisas de opinião, prefere o ex-vice-presidente Joe Biden nas eleições de novembro.

O voto feminino nos EUA

Em 1872, Susan B. Anthony chamou a atenção das autoridades quando foi detida por votar ilegalmente em uma eleição em Rochester, New York. Ela foi considerada culpada por um júri formado apenas por homens e multada.

Naquela época, o pensamento predominante na sociedade era o de que as mulheres não eram capazes de votar e que seu papel devia estar restrito ao ambiente privado, ou seja, como esposa e mãe.

Susan liderou um movimento de mulheres conhecido como as sufragistas, que começou na Europa e chegou aos EUA nos final dos anos 1800. 

As sufragistas norte-americanas se reuniam em convenções e reuniões políticas e pressionavam governantes e legisladores com documentos, ofícios e propostas de discussão sobre o direito das mulheres ao voto.

Seis anos após sua condenação, em 1878, Susan B. Anthony e a ativista Elizabeth Cady Stanton apresentaram um projeto de Emenda Constitucional ao Congresso, garantindo às mulheres o direito de votar. A Emenda foi aprovada em 1920 e passou a ser popularmente conhecida como a Emenda Susan B. Anthony.