ICE garante que imigrantes presos receberão a vacina contra covid-19, mas não diz quando

Estudo da organização não governamental Detention Watch Network revelou que o sistema de encarceramento de imigrantes indocumentados nos EUA contribuiu para o aumento das infecções em todo o país

0
824
Centro de Detenção de Imigrantes em San Diego (Foto Freedom for Immigrants)
Centro de Detenção de Imigrantes em San Diego (Foto Freedom for Immigrants)

À medida que a vacina contra a covid-19 circula pelos EUA, o Immigration and Customs Enforcement (ICE) garantiu que “todos os detentos serão imunizados”, embora não tenha especificado quando.

Atualmente, a agência federal registra 7.888 casos positivos de coronavírus em 115 centros de detenção em todo o país.

Um estudo da organização não governamental Detention Watch Network divulgado no início deste mês, revelou que o sistema de encarceramento de imigrantes do ICE contribuiu para o aumento das infecções em todos os EUA.

Intitulado How ICE Detention Contributed to the Spread of COVID-19 in the United States, o estudo diz que durante os meses iniciais da pandemia, a agência massificou a detenção de indocumentados e não seguiu as regras de controle da propagação da covid-19 nos presídios.

“ICE recusou-se a atender aos avisos e ordens judiciais exigindo que reduzam o número de detentos. Como esperado, o vírus varreu o sistema prisional, impactando não somente as pessoas detidas, mas os que trabalham em instalações de detenção a taxas desproporcionais, bem como suas famílias”, diz a pesquisa.

Os planos de vacinação contra a covid-19 preveem que idosos que vivem em abrigos, trabalhadores da área de saúde e outros trabalhadores essenciais sejam os primeiros a receber as doses do medicamento. E em uma segunda leva as demais pessoas, incluindo integrantes das Forças Armadas.

 Porém, nenhum plano mencionou, até o momento, a vacinação dos imigrantes detidos.