Iceberg gigante se desprende na Antártica

Apesar de as regiões polares serem as mais afetadas pelo aquecimento global, especialistas consideram o desprendimento do iceberg um fenômeno natural

0
1549
Imagem mostra a fenda que se alastra pela plataforma de gelo na Antártica - Divulgação Nasa
Imagem mostra a fenda que se alastra pela plataforma de gelo na Antártica - Divulgação Nasa

DA REDAÇÃO – Um iceberg gigantesco se desprendeu na Antártica, informaram na quarta-feira (13) os pesquisadores do Project Midas, que monitora a área. O bloco gigante que se soltou da plataforma de gelo Larsen C, a Oeste do continente, tem impressionantes 5,8 mil quilômetros quadrados, 200 metros de espessura e pesa mais de um trilhão de toneladas — o equivalente à área do Distrito Federal e a quatro vezes à área do município de São Paulo.

O satélite Aqua, dos Estados Unidos, foi o responsável por confirmar o já aguardado desprendimento, identificando um “canal” de água limpa entre o bloco e a plataforma. Mas cientistas do Project Midas já esperavam que o bloco de gelo se desprendesse. Eles acompanharam o desenvolvimento da fenda que começou a se abrir na borda da plataforma há mais de uma década.

Com o passar dos anos, a fenda foi avançando sobre o continente em trajetória curvilínea, até chegar a outro ponto do litoral, destacando uma parte da plataforma e soltando-a no mar do Pólo Sul. O processo se acelerou a partir de 2014. Este ano, a rachadura cresceu 17 quilômetros em apenas seis dias, de 25 a 31 de maio, e uma curva na estrutura de gelo indicou a iminência do rompimento. Na última medição, apenas 5 quilômetros seguravam o bloco

Como o bloco de gelo já estava flutuando sobre a água do mar, ligado ao resto da plataforma, seu desprendimento não vai provocar elevação do nível do mar, apesar de sua área representar 12% da plataforma Larsen C. O temor dos cientistas, porém, é que a plataforma comece a desmoronar, como aconteceu com as Larsen A e B, em 1995 e 2002, respectivamente.

Apesar de as regiões polares serem as mais afetadas pelo aquecimento global, o glaciologista Martin O’Leary, da Universidade Swansea, considera o desprendimento do iceberg um fenômeno natural, sem influência das mudanças climáticas.