Imigrante passa mal ao ser parada pelo Border Patrol, é escoltada até o hospital e presa em seguida

Caso aconteceu em Aventura (FL) e está sendo questionado por ativistas; filhos da mulher estavam no carro na hora da prisão

0
1903
Agentes do Border Patrol esperaram a mulher sair do hospital (Foto Reprodução Twitter Thomas Kenn)

Uma imigrante sem documentos moradora de Aventura, Flórida, estava voltando para casa com o marido e os filhos na tarde de domingo (13), quando foi parada por agentes do U.S. Customs and Border Patrol (CBP). A mulher começou a passar mal, teve um ataque de pânico e foi levada pelos agentes para o Aventura Hospital & Medical Center, onde recebeu atendimento na sala de emergência. As informações são do New Times.

Os agentes passaram mais de cinco horas no hospital com a mulher e, assim que ela recebeu alta, foi levada no carro do CBP. Ativistas pró-imigrantes questionam a ação dos agentes e chegaram a fazer um vídeo do incidente.

“É realmente embaraçoso um País como este estar fazendo isso com as pessoas. A mulher estava no meio de uma emergência médica, na frente dos filhos, e foi presa dentro do hospital”, disse a advogada Alexandra Audate, da Florida Immigrant Coalition, que estava no local.

O ativista Thomas Kennedy, que gravou o incidente, disse que assim que ela foi detida, grupos de ativistas foram avisados e chegaram ao hospital tentando intervir.

Quando questionados se tinham um mandado de prisão contra a imigrante, os agentes responderam em espanhol que não precisavam de ordem judicial, já que estavam a menos de 100 milhas da fronteira. Lembrando que dentro deste perímetro, os agentes federais têm direito de interrogar, solicitar documentos e prender qualquer pessoa para averiguação.

Uma porta-voz o CBP disse que a imigrante foi detida “dentro de padrões normais de conduta em casos como este”. “Nós não fazemos operações em hospitais, a menos que nossos agentes tenham transportado o paciente, como neste caso, quando temos que esperar a pessoa ser tratada, liberada para depois ser interrogada”, disse Keith Smith, do CBP.