Indígena brasileira se destaca em discurso de abertura em conferência do clima na Escócia

No discurso, a jovem de 24 anos apontou a urgência de medidas eficientes para frear as mudanças climáticas e destacou a importância da Amazônia para o mundo; Bolsonaro não participou do evento

0
527
Txai Surui representou o Brasil em conferência do clima (Foto Reprodução Instagram)

O Brasil foi representado pela ativista indígena Txai Suruí, de 24 anos, na Conferência da Cúpula do Clima (COP26), que está sendo realizada na Escócia. A jovem falou sobre a importância de se tomar medidas agora e não em 2030, 2050 para mudar o cenário atual de devastação do meio ambiente e tragédias climáticas.

“Meu pai, o grande cacique Almir Suruí, me ensinou que devemos ouvir as estrelas, a lua, o vento, os animais e as árvores. Hoje o clima está esquentando, os animais estão desaparecendo, os rios estão morrendo, nossas plantações não florescem como antes. A Terra está falando, ela nos diz que não temos mais tempo”, disse.

A jovem cobrou a participação dos povos indígenas nas decisões que envolvem medidas de combate às mudanças climáticas, afirmando que eles estão na linha de frente e possuem ideias que também devem ser consideradas.

“Vamos frear as emissões de promessas mentirosas e irresponsáveis, vamos acabar com a poluição de promessas vazias e vamos lutar por um futuro e presente habitáveis”, defende.

Txai foi a única brasileira a discursar na abertura oficial da conferência, que acontece até o dia 12 de novembro em Glasgow, cidade da Escócia.

O presidente Jair Bolsonaro não foi ao evento e enviou um vídeo com discurso curto falando sobre medidas adotadas pelo Brasil para a proteção do clima e meio ambiente. O Brasil também se comprometeu a reduzir a emissão de gases poluentes até 2030.

Biden na COP26

O presidente Joe Biden discursou no primeiro dia da conferência. Ele afirmou que o seu País vai cortar emissões de gases que contribuem para o efeito estufa em uma gigatonelada até 2030 —ou seja, um bilhão de toneladas

“Há uma oportunidade incrível para todos nós. É um momento de inflexão na história do mundo. Podemos criar um futuro limpo e bons empregos e oportunidades no mundo. Podemos aumentar o padrão de vida no mundo. É uma demanda moral e econômica”, disse ele. (Com informações do G1)