Inflação de agosto nos EUA registra alta maior que a expectativa do mercado

Pressão sobre os preços permanece alta, e frustra expectativa de queda de 0.1% da inflação

0
580
Variação percentual ano a ano no Índice de Preços ao Consumidor (Gráfico: Bureau of Labor Statistics)
Variação percentual ano a ano no Índice de Preços ao Consumidor (Gráfico: Bureau of Labor Statistics)

A inflação permanece desconfortável em agosto, mesmo com o declínio nos preços da gasolina, porque os preços continuaram a subir em relação a outros produtos e serviços, uma forte evidência de que a sustentável desaceleração esperada pelo Federal Reserve e pela Casa Branca continua pouco palpável.

Os preços aumentaram 8.3% em comparação ao ano passado e 8.5% em relação ao mês de julho, segundo o recente Índice de Preços ao Consumidor divulgado na terça-feira (13), ainda na tendência crescente e não como a moderação esperada pelos economistas. O dado desapontador veio mesmo com os preços da gasolina puxando a inflação para baixo, em contrapartida aos aumentos dos custos de aluguel, saúde, refeições em restaurantes e produtos como móveis.

Para completar a má notícia, um conjunto de índice que retira o combustível e a comida da equação mostra que as tendências inflacionárias aceleraram mais do que o esperado.

Para os defensores da política do Federal Reserve, que vêm aumentando as taxas de juros para desaquecer a economia e tentar domar o rápido crescimento da inflação, o relatório foi um novo sinal de que os aumentos de preços ainda precisam retornar ao controle — e esta contínua ação agressiva é o remédio necessário para combatê-la.

Os economistas disseram que os dados sobre o Índice de Preços ao Consumidor consolidaram a decisão de de aumentar a taxa de juros pela terceira vez seguida em 0.75 ponto na reunião do Banco Central, marcada para a próxima semana, e as ações desabaram quando os investidores começaram a especular que as autoridades poderiam optar por um ajuste total de pontos percentuais ainda mais drástico.

“A inflação permanece aquecida, as condições financeiras mostraram alguma melhora e o mercado de trabalho está em alta”, analisou Neil Dutta, economista-chefe da Renaissance Macro. “Se o objetivo é desaquecer e causar alguma turbulência, o Fed está falhando ao seguir seu próprio padrão.”

O Fed observa atentamente o indicador de núcleo da inflação, tornando sua recuperação em agosto um ponto de preocupação particular. Depois de cortar alimentos e combustíveis, os preços ao consumidor subiram 6.3% no ano, acima dos 5.9% em julho e mais do que os 6.1% projetados pelos economistas.

Mesmo olhando para a inflação geral, os detalhes do relatório ofereceram muito com o que se preocupar.

Dois produtos que foram os principais impulsionadores da inflação no ano passado – gasolina e carros usados ​​– agora estão apresentando cortes de preços definitivos. Mas outros bens e serviços estão subindo tanto de preço que estão mais do que compensando esses declínios. Os preços subiram 0.1% ao longo do mês passado em meio a rápidos aumentos de preços para uma ampla gama de produtos e serviços, incluindo alimentação fora de casa, carros novos, assistência odontológica e conserto de veículos.

Isso provavelmente manterá o Fed firmemente no modo de combate à inflação. As autoridades financeiras estão esperando por uma desaceleração sustentada nos aumentos de preços para convencê-las de que suas políticas estão trabalhando para esfriar a demanda e empurrar a economia de volta para um ambiente saudável no qual a inflação é lenta, estável e quase imperceptível. Até que isso aconteça, as autoridades prometeram continuar aumentando as taxas de juros, medidas que podem desacelerar os empréstimos, restringir a demanda do consumidor e conter as contratações e o crescimento dos salários.

“A inflação está muito alta e é muito cedo para dizer se a inflação está se movendo de forma significativa e persistente para baixo”, disse Christopher Waller, membro do Fed, em um discurso na semana passada. “Esta é uma luta da qual não podemos e não vamos nos afastar.”