“Ligue 180” internacional combate tráfico de mulheres e exploração sexual

Disque-denúncia para brasileiras que vivem no exterior ajuda também em casos de abusos em casamentos com estrangeiros

0
805
DA REDAÇÃO – O serviço Ligue 180 – Central de Atendimento à Mulher, que recebe denúncias de agressão e maus-tratos às mulheres, completa 10 anos em 2015 com trabalhos prestados também em 16 países, ajudando no combate ao tráfico de pessoas, exploração sexual de mulheres e violência familiar. As informações foram divulgadas pelo Consulado Geral do Brasil em Miami.

O atendimento no Exterior por meio do Ligue 180 Internacional assegura à mulher brasileira que vive fora do País um canal permanente de notificação e reclamação em situações de violência, agressão e maus-tratos, seja do companheiro de outra nacionalidade ou do parceiro brasileiro em outro país. O telefone para atendimento nos EUA é o (800)-745-5521.

O serviço internacional entrou em atividade em 2011, após representantes do Brasil nos serviços consulares mostrarem preocupação com o tráfico de pessoas, principalmente de mulheres, para exploração sexual. A partir disso, o Ligue 180 Internacional entrou em operação primeiramente em Portugal, Espanha e Itália e hoje está também nos Estados Unidos, Argentina, Bélgica, França, Guiana Francesa, Holanda, Inglaterra, Luxemburgo, Noruega, Paraguai, Suíça, Uruguai e Venezuela.

Em cada um desses países, a denúncia é feita em telefones específicos. O serviço preserva o anonimato e orienta as mulheres sobre seus direitos e sobre a legislação vigente, encaminhando-as para serviços especializados quando necessário.

O objetivo é fazer com que a mulher em situação de risco esteja sob a proteção do Estado brasileiro em diversas localidades do planeta.

Nos 10 anos de atividade no Brasil, a Central de Atendimento à Mulher em situação de violência realizou quase 5 milhões de atendimentos, segundo balanço feito pela Secretária de Políticas para as Mulheres.

Desse total, 56,72% compõem denúncias de agressão física e 27,74% de violência psicológica.

Conforme os dados, 58,55% das vítimas de violência são negras (pretas ou pardas), 40,48% brancas, 0,52% amarelas e 0,45% indígenas.

Apenas até outubro deste ano, o “Ligue 180” recebeu 634 mil ligações, 56,17% acima dos atendimentos feitos em igual período do ano passado.

A central de atendimento é um serviço gratuito que funciona 24 horas, todos os dias da semana, inclusive fins de semana. ?