LinkedIn divulga lista das habilidades mais procuradas no mercado de trabalho

Capacidade que lidera ranking da rede social de negócios pode ser aplicada em várias áreas de atuação

0
1394
Os profissionais de blockchain estão em alta no mercado de trabalho (Foto: Willy Summers – Wikimedia)
Os profissionais de blockchain estão em alta no mercado de trabalho (Foto: Willy Summers – Wikimedia)

Pouca gente sabe o que é blockchain. Trata-se de uma espécie de livro contábil digital público que registra transações e informações de maneira verificável e permanente, e surgiu como uma tecnologia associada apenas às criptomoedas. Mas, acredite, os profissionais especializados em blockchain são fundamentais no mercado atual.

Tanto é verdade que tal habilidade é a que lidera o ranking de demanda no mundo, segundo uma análise da plataforma profissional LinkedIn. As capacidades de trabalho destes profissionais estão sendo usadas em várias áreas de atuação – desde serviços financeiros até nos setores jurídicos, áreas de saúde e até no varejo. Em resumo, são profissionais que têm facilidade em armazenar, validar, autorizar e mover dados pela internet, usando essa tecnologia.

Vale dizer que esta profissão não é exercida apenas por codificadores. Cada área vai necessitar de profissionais específicos. Ou seja, o blockchain pode ser usado em contratos, então é natural que a melhor pessoa para ocupar uma vaga assim seja um advogado, que entenda um pouco de tecnologia. E assim por diante.

Até o Fórum Econômico Mundial (WEF, na sigla em inglês) incluiu “especialistas em blockchain” em uma lista de profissões cuja importância aumentará nos próximos quatro anos. É a primeira vez que esses profissionais ficam no topo da lista de habilidades profissionais do LinkedIn.

A empresa mediu a demanda por mão de obra observando os perfis de seus usuários para determinar a frequência com que as pessoas eram contratadas de acordo com suas habilidades.

Na lista dos conhecimentos mais procurados no mundo estão especialistas em computação na nuvem, raciocínio analítico, vendas, computação gráfica e produção de vídeo. No quesito chamado de ‘soft skills’ (estabelecer relacionamentos), a criatividade ficou no topo do ranking, seguida por poder de persuasão, facilidade de trabalhar em grupo, adaptabilidade e inteligência emocional.