Mais de 13 mil funcionários da Imigração serão afastados em agosto

A partir do dia 3 de agosto, USCIS não terá mais condições de pagar 13.400 funcionários (de um total de 20 mil) e já começou a enviar os avisos de afastamento não remunerado

0
1705
Taxas não eram reajustadas desde 1986 (foto: Gulbenk – USCIS)
USCIS

A pandemia do coronavírus impactou duramente os cofres do U.S. Citizenship and Immigration Services (USCIS) e, a partir do dia 3 de agosto, 13.400 funcionários serão afastados do serviço sem remuneração.  

A agência federal, que tem hoje 20 mil empregados, precisa comunicar o afastamento não-remunerado a esses funcionários com um mês de antecedência e os avisos já estão sendo entregues. 

O USCIS sobrevive de fundos pagos por meio de taxas imigratórias. Nesses escritórios são processados pedidos de vistos, entrevistas para o green card entre muitos outros casos imigratórios e a falta de mão de obra vai impactar diretamente o andamento desses processos. 

O USCIS pede ao Congresso que aprove recursos para a agência para que não seja necessário afastar esses funcionários. 

“Houve uma queda dramática na arrecadação que tornou impossível operar com toda a capacidade. Sem um fundo adicional aprovado pelo Congresso, não teremos escolha a não ser afastar mais da metade dos nossos funcionários”, disse um porta-voz do USCIS à CNN em comunicado. 

Para a advogada de imigração Renata Castro, é importante lembrar que os escritórios do USCIS não vão fechar, mas vão reduzir em mais de 70% sua força de trabalho. “Agora é a hora de dar entrada em processos. Com certeza processos que já demoram muito, vão demorar mais ainda”, disse a advogada. Renata Castro lembra que é sempre importante contar com o aconselhamento e o trabalho de um advogado para dar andamento aos processos. “Ainda não sabemos quem dentro da Imigração será afastado, mas na minha opinião, os primeiros a serem cortados serão os agentes que fazem entrevistas”.