Milhões de pessoas não voltaram para a segunda dose da vacina nos EUA

Entre os motivos apontados para o "abandono" estão o temor aos efeitos colaterais, a falta de informação e falhas na distribuição

0
1681
Em todo país fora administradas mais de 230 milhões de doses da vacina. (Foto: Reuters/Octavio Jones)
Em todo país fora administradas mais de 230 milhões de doses da vacina. (Foto: Reuters/Octavio Jones)

Um relatório emitido pelos Centers for Disease Control (CDC) informou que mais de cinco milhões  de americanos não retornaram para receber a segunda dose vacina contra a covid-19. Isso representa 8% do total de pessoas que já foram vacinadas no país.

O jornal The New York Times fez um levantamento para entender os motivos pelos quais as pessoas têm abandonado o processo de imunização pela metade e descobriu que parte da população americana acredita que uma dose é suficiente para protegê-los contra a covid-19. Outros temem efeitos colaterais. Mas as falhas na distribuição dos imunizantes têm sido apontada como o principal problema.

“Alguns fornecedores tiveram que cancelar as consultas porque não receberam as entregas de vacina esperadas. As pessoas também relataram que suas consultas de segunda dose foram canceladas ou compareceram apenas para descobrir que não havia doses disponíveis da fabricante que escolheram”, destaca a pesquisa do NYT.

A maioria dos relatos é de pessoas que receberam a primeira dose da Pfizer, imunizante contra a covid-19 mais aplicado no país. Ao voltarem ao mesmo local onde começaram a imunização, são informados de que há apenas a vacina da Moderna à disposição.

“Isso, associado ao fato de que algumas pessoas não são flexíveis em relação a um novo agendamento porque não têm acesso a transporte particular ou têm empregos com horários estritamente programados”, comentou Elena Cyrus, epidemiologista de doenças infecciosas da University of Central Florida.

Os dois imunizantes da Pfizer e Moderna têm prazo máximo de 28 dias entre a primeira e a segunda dose.

Já a vacina de dose única da Johnson & Johnson que chegou a ser a mais procurada pelos americanos deve sofrer resistência após a detecção de seis casos de trombose  em mulheres que receberam o medicamento. A aplicação chegou a interrompida neste mês e só foi autorizada novamente pelo FDA anteontem (23). 

De acordo com o CDC, em todo o país já foram administradas mais de 230 milhões de doses da vacina.