Estados Unidos Geral

Motorista de Uber é esfaqueada até a morte por passageiro no banco de trás em New Orleans

Criminoso transmitiu o assassinato por uma live no Facebook: "Eu não a escolhi, o Uber a escolheu", disse ele às autoridades

Vítima foi encontrada no estacionamento do hotel em que levou seu assassino (Foto: Wikimedia)

Yolanda Dillion, de 54 anos, trabalhava como motorista do Uber quando foi morta dentro do seu veículo por um passageiro. O caso aconteceu no final de novembro em New Orleans, Louisiana, e foi divulgado pelas autoridades policiais na quinta-feira, 9 de dezembro.

O suspeito, identificado como Brandon Jacobs, de 29 anos, confessou o crime. Segundo os detetives, Jacobs contou que estava sentado no banco de trás do carro, quando esfaqueou as costas da mulher. Ao ser questionado pelas autoridades sobre o que o motivou a cometer o crime, ele respondeu que “acordou com vontade de matar alguém”.

“Perguntamos a ele especificamente: ‘como você a escolheu?’”, falou o xerife Joseph Lopinto, do Jefferson Parish Police Department, em coletiva de imprensa. “A resposta dele foi ‘eu não a escolhi, o Uber a escolheu'”, completou o xerife.

A vítima foi encontrada no estacionamento do hotel Travelodge, em Harvey, por volta das 3 da manhã. Ela foi transportada ainda com vida para um hospital próximo, mas morreu momentos depois por conta dos ferimentos.

 O criminoso transmitiu o assassinato ao vivo através de uma live no Facebook. O vídeo, entretanto, foi removido minutos depois, mas ajudou a polícia a chegar até o local. “Após ferir brutalmente a motorista, ele saiu calmamento do carro e caminhou de volta para o quarto do hotel onde estava hospedado”, declarou Lopinto.

Antes de se tornar motorista de Uber, Yolanda Dillion trabalhou como analista financeira do Departamento de Polícia de New Orleans, que está investigando o caso. Brandon Jacobs festá preso sem direito a fiança e irá responder  a acusação de homicídio em segundo grau.