ONU classifica ataque químico na Síria como crime de guerra

Ataque aéreo com gás tóxico matou pelo menos 72 civis, sendo 20 crianças

0
3839
Criança é atendida após ataques FOTO: AFP
Criança é atendida após ataques FOTO: AFP

DA REDAÇÃO, COM AFP – O  ataque químico que matou pelo menos 72 civis, incluindo 20 crianças, em uma cidade rebelde do noroeste da Síria na terça-feira (5) chocou o mundo e mostra que “crimes de guerra” continuam ocorrendo naquele país, afirmou nesta quarta-feira (5) o secretário-geral da ONU, António Guterres.

“Os horríveis acontecimentos de ontem (terça-feira) demonstram, infelizmente, que os crimes de guerra continuam na Síria e que o direito internacional humanitário é violado frequentemente”, disse Guterres ao chegar a Bruxelas, onde acontece uma conferência sobre o conflito sírio.

O ataque foi aéreo com gás tóxico, de acordo com o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH). O ataque aconteceu no reduto rebelde da cidade de Khan Sheikhun, na província de Idlib.

O ministro britânico das Relações Exteriores, Boris Johnson, afirmou que “todas as provas” apontam para o regime de Bashar al-Assad como responsável pelo suposto ataque.

A oposição síria foi a primeira a acusar o “regime criminoso” de Bashar al-Assad de ter executado o ataque com “obuses” que continham “gás tóxico”, acusações negadas por Damasco.

Estados Unidos, Reino Unido e França também acusaram o regime de Assad. Mas para a Rússia, a aviação de síria bombardeou na região de Khan Sheikhun um “depósito terrorista” onde eram armazenadas “substâncias tóxicas” destinadas a combatentes no Iraque

Washington, Londres e Paris apresentaram na terça-feira um projeto de resolução ao Conselho de Segurança que condena o ataque químico na Síria e exige uma investigação completa e rápida.

Neste sentido, Guterres pediu uma “investigação clara”, afirmou que a ONU deseja estabelecer responsabilidades por estes crimes e expressou confiança de que o Conselho de Segurança estará “à altura de suas responsabilidades”.

“Espero que seja aprovada uma resolução que condene, peça a verdade, deduza as responsabilidades, e que o direito de veto não seja utilizado mais uma vez”, afirmou o chanceler francês, Jean-Marc Ayrault.