Operadoras de turismo do Brasil amargam crise devido à pandemia

O fraco desempenho das vendas em abril deve representar perda de R$ 1,08 bilhão para o setor

0
632
Cristo Redentor, um dos pontos turísticos do Rio de Janeiro (Foto: Wikimedia Commons)
Cristo Redentor, um dos pontos turísticos do Rio de Janeiro (Foto: Wikimedia Commons)

As operadoras de turismo brasileiras estão vivendo uma crise sem precedentes devido à pandemia do coronavírus. O percentual de operadoras de turismo que não realizou nenhuma venda chegou a 54% em abril, informou a Associação Brasileira das Operadoras de Turismo (Braztoa). O cenário representa uma situação mais grave que a de março, quando 45% das empresas do setor não venderam nenhum pacote. As informações são da Agência 

O fraco desempenho das vendas em abril deve representar perda de R$ 1,08 bilhão para o setor, estima a associação.  A Braztoa compara que, para oito em dez empresas, o faturamento mensal foi equivalente a menos de 10% do registrado no mesmo mês do ano passado. 

A expectativa é que as perdas totais do segmento em 2020 possam chegar a R$ 11,3 bilhões, o que corresponde a 75% do faturamento de 2019, que somou R$ 15,1 bilhões.

As vendas realizadas em abril foram principalmente para o segundo semestre de 2020 e para o ano que vem. Apenas 24% das empresas que conseguiram vender comercializaram algum pacote com embarque até julho.

O setor prevê que a retomada das viagens internacionais será mais lenta que a dos embarques domésticos. E acrescenta que 58% das operadoras acreditam que vão vender pacotes nacionais no segundo semestre, enquanto 50% preveem que seja possível comercializar pacotes internacionais.