Personalidades internacionais pedem investigação da morte de Marielle Franco

Gael García Bernal, Chimamanda Ngozi Adiche e Edward Snowden estão entre artistas e ativistas que cobram justiça para vereadora do Rio assassinada

0
1090
Marielle Franco foi executada e caso gerou comoção internacional
Marielle Franco foi executada e caso gerou comoção internacional

DA REDAÇÃO – Uma carta assinada por 37 artistas, escritores e ativistas de todo o mundo foi divulgada nesta quinta-feira (22) pedindo uma investigação isenta e independente das mortes de Marielle Franco e seu motorista, Anderson Gomes. As informações são do G1.

O carro onde estavam a vereadora do Rio de Janeiro e o motorista foi alvejado por tiros na noite do dia 14 de março. Ambos morreram na hora.

Entre as personalidades que assinam o documento, estão atores e cineastas como Gael García Bernal, Danny Glover, Pamela Anderson, Viggo Mortensen e Wagner Moura; as escritoras Chimamanda Ngozi Adiche e Naomi Klein; e os intelectuais Noam Chomsky e Slavoj Zizek.

Os colegas do mesmo partido de Marielle, Luciana Genro, Marcelo Freixo e David Miranda, o ex-chanceler Celso Amorim e Anielle Silva, irmã da vereadora, além de Moura, são os brasileiros que assinam o manifesto.

Na carta, Marielle é escrita como “uma incansável e destemida defensora dos direitos dos afro-brasileiros, pessoas LGBT, mulheres e comunidades de baixa renda” cujo ativismo “rendeu vários e poderosos inimigos”.

“Considerando que o assassinato de Marielle contém todos os indícios de uma execução, nós convocamos a criação e uma comissão independente formada por especialistas em direitos humanos, nacionais e internacionais, proeminentes e respeitados com a missão de realizar uma investigação independente do assassinato de Marielle Franco com a total cooperação de autoridades do Estado, judiciais e policiais”, diz o texto.

“Nós exigimos justiça para Marielle Franco e para a filha e a companheira que ela deixou, e [exigimos] o fim da matança e da criminalização de ativistas, opositores do governo e pessoas de baixa renda no Brasil”, conclui o documento.